Um acidente e duas famílias destruídas: Isabele morreu após arma cair da mão da amiga

Adolescente estava indo guardar armas do pai quando se atrapalhou, diz advogado de defesa

Isabele não resistiu e morreu no local (Foto: arquivo pessoal)

Eram por volta das 22h30 do último domingo (12) quando Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, foi atingida acidentalmente por um tiro no rosto, que atravessou seu nariz e saiu pela parte de trás da cabeça.

Ela estava na casa da melhor amiga, que mora no mesmo condomínio, o Alphaville I, em Cuiabá, quando o acidente aconteceu. A arma disparada estava na mão da amiga, também de 14 anos.

O LIVRE conversou com o advogado da adolescente, Rodrigo Pouso, que contou como tudo aconteceu e como está a menina diante da dupla dor: a perda da melhor amiga e seu nome na mídia acusada de tirar a vida de alguém que ela amava.

Tragédia

“Foi um acidente, não foi ela manusear a arma. Ela não estava mostrando para ninguém, ela não estava brincando com a arma, como saiu na mídia. Essa arma estava dentro de uma case, a maleta que guarda a arma”, começou a contar o advogado.

Segundo Rodrigo, o pai da adolescente, o empresário Marcelo Martins Cestari, 46 anos, pediu que a filha guardasse uma maleta, onde estavam duas armas, no quarto dele.

A adolescente pegou a maleta e foi em direção ao quarto do pai. No caminho, porém, parou em seu quarto, onde a amiga Isabele estava no banheiro, e bateu na porta a chamando pelo apelido, “Bel”. Nesse momento, a maleta caiu.

Uma das armas saiu da maleta. A adolescente pegou a maleta com uma mão e se abaixou para pegar a arma que caiu com a outra.

Enquanto tentava equilibrar a maleta com uma mão, a menina encostou a maleta no peito e usou a outra mão para pegar a arma caída, para guardar na maleta.

“A Isabele estava na frente, abriu a porta, saiu do banheiro e estava na frente. Aí a arma disparou”, relatou Rodrigo.

“Ela estava colocando a arma na maleta, a que estava na mão. Elas são da mesma altura, ela estava com a maleta no peito, colocando, porque a maleta estava caindo, porque estava meio bamba. Ela se perdeu nisso de colocar a arma, enquanto segurava a maleta com a outra mão, e acabou disparando a arma e acertou a amiga. Mas não estava brincando, não estava apontando”, garantiu.

O pai da adolescente ligou imediatamente para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi orientado a prestar os primeiros-socorros a Isabele. Depois, o próprio Samu tentou reanimá-la. Mas, segundo o advogado, onde a adolescente caiu com o tiro, permaneceu, não foi retirada do local.

Isabele morreu ainda no local do acidente

Arrasada

Rodrigo Pouso descreveu que sua cliente está “destruída”. As duas adolescentes eram melhores amigas há cerca de quatro anos, viviam na casa uma da outra, sempre se falando no celular quando não estavam juntas, com foto uma da outra no celular, tinham-se como irmãs.

“E aí as matérias saem ‘menina mata’, não tem menina mata, foi sem querer, não tem dolo nenhum, não tem vontade. Foi acidente. ‘Menina atira’, não atirou, a arma disparou, não estava apontando, atirar é quando você aponta”, disse o advogado.

Ele disse que, até então, as famílias não tinham rivalidade alguma, pelo contrário: as meninas eram muito unidas e era um domingo normal, com todos em casa, fazendo comida.

Investigação

Nesse terça-feira (14), a adolescente e o pai prestaram depoimento na Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) por oito horas.

O advogado da família fez questão de dizer que a história divulgada na mídia, de que a arma do crime teria sido retirada do local, é falsa.

“A perícia chegou, lacrou o local. O delegado de polícia estava lá, eu entreguei a arma na mão dele. Ele pegou a arma, abriu, verificou, desmuniciou a arma. O local não foi mexido”, relatou.

Na casa foram apreendidas sete armas. Uma em nome do pai da adolescente que segurava a arma do acidente, quatro em processo de emissão de documentação junto ao Exército Brasileiro e duas em nome de outra pessoa, que estavam na casa porque o dono da residência as estava comprando.

A arma que disparou é uma das que estava em processo de compra. Por isso, segundo o advogado, o empresário Marcelo Martins Cestari foi detido por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido. Ele, no entanto, pagou fiança e foi liberado.

“Ele estava vendo para comprar. O certo era ter passado para o nome dele. Mas ninguém fala que vai comprar e já passa. É igual comprar um carro. A pessoa fala: ‘Dá uma volta no meu carro’. Ai você fala: ‘ah ta, gostei’, ‘agora me dá o dinheiro que eu transfiro’. Por isso que a arma estava lá e foi apreendida por isso, não estava no endereço correto, mas a polícia vai devolver as armas”, afirmou Rodrigo.

Aulas de tiro

Sobre a adolescente fazer aulas de tiro, como confirmado pela Federação de Tiro de Mato Grosso (FTMT) e também pelo advogado, Rodrigo disse que isso não impede o acidente, visto que ela não estava brincando com a arma e não imaginava que esta estava municiada.

“Se ela estivesse brincando, ela sabe desmuniciar, apesar de ter só três meses de aula, mas ta bom, vamos dizer que é atiradora, então ela ia saber desmuniciar, mas ela não teve tempo pra ver isso aí. A arma caiu e ela se embananou. Se ela pegasse pra atirar, pra treinar, ela ia ver que a arma estava carregada. Não teve isso, é uma arma que caiu e abriu. E deu toda essa tragédia. Ela ser atiradora não interfere em nada. Ela não estava treinando, ela não estava mexendo, não foram pra treinar”.

A arma estar municiada, inclusive, é o grande erro, na visão do advogado, visto que todo atirador é consciente de que não se pode guardar uma arma municiada.

“Tem que apurar a responsabilidade de quem deixou essa arma municiada, essa é a questão. Eu sou atirador esportivo também, a arma que está com case aqui em casa, você pode ter certeza que está desmuniciada, porque você só guarda a arma desmuniciada. Então quando ela pegou e o pai dela também, quando falou pra ela guardar a arma, na cabeça dele estava desmuniciada, estava guardada na case. É uma regra, uma norma, você só guarda a arma desmuniciada. Durante o processo o delegado de polícia vai buscar isso. Estão colocando ela como autora, mas não é isso, foi acidente, não tem como imputar a ela dolo”, afirmou.

O advogado da família Cestari, Rodrigo Pouso

Família pede Justiça

O pai da adolescente que segurava a arma no momento do crime, o empresário Marcelo Martins Cestari, que havia sido preso por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido, foi liberado após pagar fiança de R$ 1 mil. A pedido da família de Isabele, no entanto, o Ministério Público Estadual entrou com pedido na Justiça pedindo que o valor mudasse para R$ 1 milhão.

No pedido, o MPE se manifestou primeiro contra o fato de Marcelo não ter sido indiciado por homicídio “doloso”, visto que a arma era de sua responsabilidade e ele permitiu que a adolescente a manuseasse dentro de sua casa.

Depois, contra a fiança arbitrada, quando comparada ao poder aquisitivo da família Cestari, que possuiria bens como aeronave, carro importado, mora em condomínio de luxo e sociedade em uma empresa avaliada em R$ 10 milhões.

Além disso, o MP pediu que sejam juntadas as descrições de todas as armas apreendidas e que o empresário Marcelo Cestari responda por homicídio doloso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

8 COMENTÁRIOS

  1. Vários erros, a arma municiada, a arma não estava com a trava de segurança acionada se não não teria disparado por mais q ela se embananasse… isso foi irresponsabilidade do vendedor q deixou municiada, do pai q não checou se estava municiada e com a trava de segurança… são itens básicos que não precisa ter 3 meses de curso pra saber, basta um curso de poucas horas e vc aprende mto bem os padrões básicos de segurança… e o pai nunca deveria ter pedido a filha pra guardar as armas sem checar o estado ninguém… todos sabem é regra, arma se guarda desmuniciada a não ser q vc seja um agente público de segurança… sinto mto por ambas famílias pq a que faleceu vai deixar um vazio enquanto a outra vai viver a vida com a culpa mesmo que inconsciente de ter tirado a vida de alguém… triste caso de amadorismo e falta de responsabilidade na guarda das armas!

  2. A garota que se “embananou” está “mais morta” que a que morreu. Infelizmente as pessoas não entendem isso. É natural que a família da menina morta queira, nesse momento, uma vingança como forma de confortar seu sofrimento, mas se eles enxergaram algum dia uma verdadeira amizade entre elas, hão de acolhele-la. Nada é por acaso.

    Lamentavelmente Chico Xavier não está por aqui para receber uma psicografia. Que surjam outros com a mesma sensibilidade.

    Esse caso me parece o caso dos amigos que brincavam de roleta russa:

    “A morte do jovem Henrique Emmanuel Gregóris, à época com 23 anos, ocorrida em 10 de fevereiro de 1976, uma terça-feira, numa roleta-russa com o amigo João Batista França. Eles estavam em uma festinha com duas mulheres e um revólver e, em meio a distração e as bebidas, fazendo a “brincadeira” conhecida por roleta russa, João acidentalmente atira em Gregoris, que morre instantaneamente.

    O réu foi pronunciado por homicídio culposo e o caso cai nas mãos do juiz Orimar de Bastos” que o absolveu graças a cartas psicografadas que inocentavam o acusado.

    Que essas famílias encontrem a paz muito em breve.

    • Sinto muito pelas duas famílias e quase impossível de entender tal situação, momento indescritível de dor, quando ouvimos uma notícia como esta, observamos que ninguém está livre de passar por tragédias e fatalidades. Devemos sempre pedir ajuda para Deus e orar sempre para nosso Pai celestial e pedir proteção diária.

  3. Só tem um culpado. O pai que, tendo menores na casa, negligenciou com a posse de armas. Jamais poderia deixar isso ao alcance de menores, quanto mais pedir para “guardar” – o que é uma história para amenizar a situação – Infelizmente o pai vai ter de responder pelo seu próprio erro.

  4. Ruin mesmo foi para a menina cheia de vida que morreu, e sem dúvidas a família dela tbm morreu com esse episódio. Estamos no Brasil x família de posses. Ninguém vai pagar pelo erro, e foi erro mesmo. Que Deus ampare os pais dessa jovem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem médicos para 30 UTIs, governo de MT pede aplicação da prova do Revalida
Próximo artigoJBS leva mais doações a Cuiabá (MT)