UFMT fica às escuras por não pagar contas de energia

Assessoria da Universidade informou que negociações terão início na tarde desta terça

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) teve o fornecimento de energia elétrica cortado na manhã desta terça-feira (16).

A notícia já chegou ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, que, no Twitter, disse conhecer a situação e ter tratado do caso com a reitora Miriam Serra. A reunião entre eles ocorreu no último dia 5.

Por meio da assessoria, a Universidade informou que seis contas estão em atraso – sendo quatro de 2018 e duas de 2019 – e que as negociações com a concessionária Energisa devem ter continuidade nesta tarde.

A assessoria da concessionária, por sua vez, informou ao LIVRE que não pode repassar à imprensa informações financeiras de seus clientes.

No restaurante universitário as atividades ainda não foram interrompidas. Os estudantes, almoçam no escuro (Foto: Suellen Passetto/ O LIVRE)

Nas redes sociais, mensagens circulam afirmando que não só o campus Cuiabá sofreu com o corte no fornecimento. As unidades de Sinop e do Araguaia também já estariam sem energia.

Além das aulas – que devem ser interrompidas por conta da falta de fornecimento – pesquisas desenvolvidas por professores da UFMT estão em risco.

LEIA TAMBÉM

Pesquisas em risco: professores da UFMT vivem incerteza sobre fornecimento de energia

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS