Turismo perde quase 50 mil empresas e 500 mil empregos em 6 meses de pandemia

Empreendimentos mais afetados foram os micro e pequenos negócios, segundo pesquisa da CNC

O setor de Turismo perdeu 49,9 mil estabelecimentos por causa da pandemia de covid-19 entre março e agosto deste ano. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC) e foram divulgados nesta segunda-feira (5).

Segundo a instituição, o surto de covid-19 afetou empreendimentos de todos os portes. Os mais prejudicados, porém, foram os micro (-29,2 mil) e pequenos (-19,1 mil) negócios.

Regionalmente, todos os Estados e o Distrito Federal registraram redução no número de unidades ofertantes de serviços turísticos. Mas a maior incidência está em São Paulo (-15,2 mil), Minas Gerais (-5,4 mil), Rio de Janeiro (-4,5 mil) e Paraná (-3,8 mil).

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a maior parte das atividades que compõem o Turismo brasileiro permanece ainda sem perspectiva de recuperação significativa nos próximos meses.

LEIA TAMBÉM

Todos os segmentos acusaram saldos negativos nos últimos seis meses, com destaque para os serviços de alimentação fora do domicílio, como bares e restaurantes (-39,5 mil), e os de hospedagem em hotéis, pousadas e similares (-5,4 mil), além de transporte rodoviário (-1,7 mil).

Faturamento menor

A CNC calcula que, em sete meses (de março a setembro), o Turismo no Brasil perdeu R$ 207,85 bilhões. “Mesmo com as perdas ligeiramente menos intensas nos últimos meses, o setor explorou apenas 26% do seu potencial de geração de receitas durante o período”, disse Fabio Bentes, economista da CNC responsável pela pesquisa.

Segundo o estudo, o faturamento do setor turístico apresentou queda de 56,7% até julho, em relação à média verificada no primeiro bimestre.

Menos emprego

Com menos estabelecimentos com vínculos empregatícios, o setor de Turismo também sofreu em relação à empregabilidade. Em seis meses de pandemia, foram eliminados 481,3 mil postos formais de trabalho, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

“A destruição destas vagas representou uma retração de 13,8% no contingente de pessoas ocupadas nessas atividades. E, na média de todos os setores da economia, a variação relativa no estoque de pessoas formalmente ocupadas cedeu 2,6%”, afirmou Fabio Bentes.

Os segmentos de agências de viagens (-26,1% ou -18,5 mil) e de hotéis, pousadas e similares (-23,4% ou -79,9 mil) registraram os cortes de empregos mais intensos.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior2020 é o ano mais quente da história de Cuiabá. Saiba o por quê
Próximo artigoOrçamento 2021: governo de MT prevê investimento de R$ 2 bilhões e corte de gastos