Tribunal condena dois por morte de taxista em Cuiabá

Vítima foi apontada como traficante e teria se recusado a pagar uma quantia ao Comando Vermelho para atuar no Jardim Brasil

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O tribunal do júri em Cuiabá condenou a Jonnathan Mendes de Souza, conhecido como Lebre ou Coelho, a 29 anos de prisão, e Rhian Jimenes de Oliveira, a 24 anos, pela morte de Douglas da Silva Dantas. Os dois acusados integram o Comando Vermelho e Jonnathan, inclusive, à época do crime, era apontado como um dos líderes financeiros da organização criminosa.

O Crime

A morte de Douglas foi em 8 de agosto de 2017, entre 21h e 22h30, em um terreno próximo ao aterro sanitário, conhecido como “Lixão do Barreiro Branco”, no bairro Barreiro Branco, em Cuiabá. No ano seguinte, foi oferecida a denúncia pelo Ministério Público Estadual e a prisão preventiva dos acusados, decretada e cumprida.

De acordo com a Promotoria, Jonnathan foi quem comandou a ação e determinou que Rhian, junto com outros comparsas, sendo um deles já falecidos, matassem Douglas. “Assegurando que a forma de execução do crime servisse de exemplo àqueles que se recusassem a cumprir as ordens da facção criminosa”, destaca a sentença proferida pela juíza Monica Catarina Perri Siqueira.

Os rapazes então ligara para a vítima e se passaram por clientes, alegando que queriam comprar entorpecentes. Assim que Douglas chegou ao local, foi rendido pelo grupo.

A vítima teve os punhos amarrados para trás e foi torturada até a  morte. Toda a ação foi filmada pelos criminosos e divulgada nas mídias sociais, como Facebook e Whatsapp. Siqueira definiu a ação dos réus como “impregnada de malvadez, coverdia e extrema violência”.

A motivação para o assassinato seria a recusa de Douglas em pagar R$ 100 mensais à facção para poder traficar na região do bairro Jardim Brasil.

“O comportamento da vítima não contribuiu para a prática delitiva. Ainda que envolvida em práticas ilícitas, não merecia ser sentenciada previamente com a pena de morte, vedada em nosso ordenamento jurídico. O réu não tinha legitimidade para tanto”, argumentou Siqueira.

A condenação

Os réus foram condenados pelo homicídio qualificado por motivo torpe, praticado mediante traição e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de integrar facção criminosa. No caso de Jonnathan houve ainda a responsabilização por exercer função de comando na organização criminosa.

Siqueira negou o recurso em liberdade aos acusados. Na sua justificativa, a magistrada pontuou que não houve mudança que pudesse basear essa liberdade aos réus. Além disso, a dupla é temida na localidade onde reside, tanto que, conforme o relatório da investigação policial, os dois foram classificados como “elementos de altíssima periculosidade”.

A juíza destacou ainda que a pena deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado. A sentença foi proferida na noite de quinta-feira (7), em Cuiabá.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPresidente da ALMT diz que apoia implantação de “passaporte sanitário”
Próximo artigoCPI da Rota do Oeste