Três homens são presos por suspeita de participação em dois assassinatos

Crimes aconteceram em janeiro e maio e as vítimas foram atacadas de maneiras semelhantes, segundo a polícia

(Foto: Reprodução/PJC-MT)

Três homens foram presos por suspeita de participar de assassinatos cometidos neste ano em Colniza (1.065 km de Cuiabá). As prisões ocorreram nessa quinta-feira (1º) em cumprimento de mandados judiciais emitidos dentro da Operação Causa Mortis.  

A polícia informou que o primeiro caso vinculado aos investigados aconteceu na madrugada de 30 de janeiro e vítima foi Fernando Vieira Roberto, 26 anos. Ele teve a garganta cortada e o tórax perfurado ao sair de casa. 

Apurações do caso apontam que Fernando Vieira Roberto ia embora de casa, com o fim do relacionamento, e quando saiu à porta o suspeito o atacou e fugiu logo depois. 

Ataque a idosos

O outro crime ocorreu em 17 de maio e dois homens, ambos de 62 anos, foram as vítimas. Valdeci Silva Viana foi atacado com perfurações de faca pelo corpo dentro de casa e morreu no hospital de Colniza.  

O segundo idoso, cujo nome não foi revelado, também foi esfaqueado, mas conseguiu sobreviver. Conforme Polícia Militar, as vítimas estavam na casa juntas com os suspeitos.  

Em certo momento, outras duas pessoas se aproximaram em motocicletas e os suspeitos teriam começado a atacar Valdecir Silva Viana. Na tentativa de socorrê-lo, o outro idoso foi ferido com um golpe de faca nas nádegas, mas conseguiu escapar e buscar ajuda. 

Com base nas informações, a Polícia Civil instaurou dois inquéritos para investigar os crimes. De acordo com o delegado Jean Paulo Nascimento, os depoimentos dos suspeitos servirão para concluir as investigações. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÓculos de sol no inverno: como escolhê-los?
Próximo artigoEscrivão de polícia desvia apreensões da delegacia de Sinop e acaba preso