Três em cada quatro agentes penitenciários têm saúde mental afetada pela pandemia

Na região Centro Oeste, mais de 87% disse temer o coronavírus e menos de 18% acha que está preparado para lidar com a situação

(Foto: Reprodução)

O avanço do novo coronavírus dentro das penitenciárias tem encontrado policiais penais e agentes prisionais despreparados e abalados emocionalmente para lidar com a situação. Quase 74% deles relatam ter a saúde mental afetada por causa da pandemia. E o  apoio institucional para lidar com essas emoções chegou a apenas 5,1% desses profissionais.

Os números são da segunda fase da pesquisa com agentes penitenciários realizada pelo Núcleo de Estudos da Burocracia, da Fundação Getulio Vargas (NEB/FGV). O levantamento entrevistou – de forma online – 613 agentes de todas as regiões do Brasil.

E os profissionais da região Centro Oeste são os que mais temem a covid-19. Mais de 87% deles afirmaram temer o novo coronavírus. Uma diferença de cinco pontos percentuais entre os segundos colocados nesse ranking: os profissionais do Nordeste.

Em termos de Brasil, 82% dos agentes prisionais afirmaram que as tensões entre presos aumentaram neste período de pandemia.

A falta de contato com os familiares, de informações sobre o cenário da doença no país, o medo de se contaminar, a má alimentação e o isolamento estão entre os motivos descritos pelos agentes.

E quase 68% desses profissionais afirmaram conhecer ao menos um detento contaminado com a covid-19. No Centro Oeste, esse percentual chega a 80%. Uma situação que só não é tão ruim quanto a do Nordeste, onde 96% dos agentes carcerários afirmaram conhecer presos doentes e 100% tiveram um colega contaminado.

Despreparo

Paralelo a isso, só cerca de 32% desses agentes prisionais acreditam que a unidade em que trabalham têm condições de oferecer isolamento a detentos que forem diagnosticados.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

No Centro Oeste, é de pouco mais de 39%, ou seja, na visão de quem trabalha dentro dos presídios, mais da metade das cadeias da região não teria como conter uma disseminação em massa do vírus entre os presos.

O Centro Oeste é também a região em que os agentes menos se sentem preparados para lidar com essa nova situação. Pouco menos de 18% deles disse sentir que consegue lidar com os desafios impostos pela pandemia.

Falta de EPIs e testes

A pesquisa revelou ainda que mais da metade agentes prisionais do Brasil continua sem equipamentos de proteção individual (EPIs). Só cerca de 49% disseram ter acesse a esses materiais, um percentual que, pelo menos, já é maior do que na primeira fase da pesquisa, realizada em abril.

Os níveis mais alarmantes, neste caso, estão na região Norte, onde apenas 26,3% dos agentes relatam ter recebido EPIs.

E no caso dos testes, a situação mais preocupante ainda. Em termos de Brasil, só 23% dos profissionais das penitenciárias afirmam ter sido testados para a covid-19. No Sudeste do país, esse percentual cai para 10%.

(Com informações da Agência Bori)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComo fazer uma reserva de emergência?
Próximo artigoGoverno destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19