TRE suspende ação que tem como relatora juíza casada com doador de R$ 500 mil para Pedro Taques

Marido da juíza também é sócio de empresa que conta com contrato de R$ 9 mi com o Estado

Foto: TRE/MT

O pedido de suspeição (afastamento) da juíza do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Vanessa Curti Perenha Gasques, que está como relatora de uma ação em desfavor do governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB), foi recebido pelo juiz Antônio Veloso Peleja Júnior, também membro do TRE. Até que se julgue o mérito, a ação está suspensa.

A solicitação de suspeição foi do Ministério Público Federal (MPF), que alega o fato de a magistrada ser casada com Erivelto Gasques, que em 2014 doou R$ 500 mil, divididos em três doações, para a campanha de Taques, então no PDT, além de ser um dos sócios de uma empresa que conta com contrato de R$ 9 milhões com o Estado.

O contrato milionário foi firmado em fevereiro deste ano para a locação de um imóvel e conjunto de bens móveis para a instalação e funcionamento do Centro Logístico de Armazenamento e Distribuição do Estado (Celad). O imóvel pertenceria à família do empresário Erivelto Gasques.

A denúncia foi encaminhada ao MPF pelo gabinete da deputada estadual Janaína Riva (MDB), após ter recebido a acusação de uma pessoa que se identificou, por medo de represália, apenas como suposto servidor do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

A magistrada é relatora de uma ação movida pelo PDT, que compõe a chapa do candidato ao Governo do Estado Mauro Mendes (DEM). A sigla moveu uma ação contra o governador por suposta prática de conduta vedada consistente na realização da Caravana da Transformação.

Juíza foi revisora em julgamento de fraude na ata de registro de candidatura de Taques

A juíza Vanessa, inclusive, já participou como revisora de uma ação que resultou na perda do mandato do senador José Medeiros (Podemos). O parlamentar, no entanto, conseguiu no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma liminar mantendo-o no cargo.

O juiz-relator da ação que analisou o pedido de Impugnação de Mandato Eletivo, sob acusação de fraude na ata de registro de candidatura da chapa de Pedro Taques na disputa ao Senado em 2010, Ulisses Rabaneda, argumentou, à época, que o documento fraudado foi imprescindível para o registro de candidatura da chapa e que a Justiça Eleitoral foi induzida em erro.

Ou seja, que a irregularidade interferiu de “maneira flagrante” na normalidade do pleito, uma vez que o registro teria sido indeferido e a chapa sequer teria disputado as eleições.

A juíza-revisora, Vanessa Curti Gasques, no entanto, argumentou não ver a culpa de Pedro Taques e de Paulo Fiúza, votando pela cassação apenas do mandato de Medeiros e para que Fiúza assumisse o cargo imediatamente, sendo seguida pela maioria dos membros do Tribunal.

LEIA TAMBÉM:

Juiz irmão de servidor comissionado é afastado de ação contra o governador Pedro Taques

Juíza e Virgínia Mendes trocam mensagens

(Matéria retificada às 11h10)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjetos de combate à violência são destaque da pauta do Plenário
Próximo artigoIncêndio no RJ: museus de MT também sofrem pelo descaso e falta de investimento