Julgamento do registro de candidatura da chapa de Selma Arruda é adiado por pedido de vista

Na sexta-feira, o pleno autorizou Selma Arruda a utilizar o termo “juíza” em seu nome de urna

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Alvo de duas impugnações, o julgamento do pedido de registro de candidatura ao Senado da chapa encabeçada pela juíza aposentada Selma Arruda (PSL) acabou adiado, nesta segunda-feira (24), por pedido de vista referente ao questionamento protocolado pelo Ministério Público Federal (MPF). A impugnação da coligação “Pra mudar Mato Grosso III”, por sua vez, foi negada por unanimidade do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Primeiro, foi apreciada a representação do grupo adversário, composto pelos partidos PHS, PSC e PTC. A coligação alegava que Selma Arruda estaria inelegível por ter solicitado a aposentadoria da magistratura antes do arquivamento de Processo Administrativo Disciplinar (PAD), que ainda estaria tramitando contra ela no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A candidata, por sua vez, assegurou que não houve PAD, mas sim uma reclamação, que precede até mesmo sindicância, e que não gera inelegibilidade. Além disso, a própria reclamação já teria sido julgada improcedente pelo CNJ. Por unanimidade, os desembargadores acataram os argumentos da candidata e negaram o pedido da coligação adversária.

A escolha da suplente

Na sequência, teve início o julgamento do pedido do Ministério Público Federal (MPF), que impugnou o registro de candidatura da chapa sob argumento de que a segunda suplente, Clérie Fabiana Mendes, não foi escolhida em convenção partidária. Além disso, o MPF questionou o fato de que seu nome teria sido referendado em data posterior ao limite estipulado pela Legislação Eleitoral.

“Na espécie, a chapa já nasceu incompleta e inválida, não podendo ser remendada pela via oblíqua e astuciosa do adendo de ata realizada a destempo e sob o pretexto de exercício de direito de poder delegado pelos convencionais ou de equívoco cometido por uma das agremiações que compõe o consórcio partidário”, sustentou a procuradora Cristina Nascimento de Melo.

Em seu voto, seguindo entendimento da procuradoria, o juiz-relator Ulisses Rabaneda negou o pedido de registro da chapa, sustentando que a irregularidade foi detectada pela Secretaria Judiciária e reforçando que a escolha da segunda suplente não foi feita em convenção partidária, nem referendada pela coligação “Segue em frente Mato Grosso”, a qual pertence o PSL.

“O PSL isoladamente, após o prazo fatal, redigiu, em reunião da Executiva Estadual, um aditamento da ata da convenção estadual, que havia definido que cabia a coligação a decisão sobre a vaga. Ou seja, são três as conclusões: a segunda suplente não foi escolhida em convenção partidária, os convencionais delegaram à coligação a decisão e a coligação não escolheu o nome. O remendo que o PSL tentou operar vai contra a democracia partidária”, argumentou o magistrado, lembrando que Clérie Fabiana, inclusive, foi assessora da candidata quando esta exercia o cargo de juíza.

A divergência, por sua vez, votou pelo indeferimento apenas do registro de candidatura da segunda suplente, não de toda a chapa majoritária, pugnando por sua substituição por parte da coligação. O julgamento, contudo, acabou adiado por um pedido de vista do juiz Antônio Veloso Peleja Júnior.

Sem impugnação, o primeiro suplente, ex-vereador de Sorriso Gilberto Eglair Possamai (PSL), teve a candidatura autorizada por unanimidade do pleno. O registro de Selma Arruda é o único, entre 11 postulantes ao Senado por Mato Grosso, que ainda não foi confirmado pela Justiça Eleitoral.

“Juíza Selma” na urna

Na sexta-feira (21), o pleno autorizou Selma Arruda a utilizar o termo “juíza” na frente do seu nome nas urnas eletrônicas em 7 de outubro. O nome de urna da candidata também tinha sido alvo de questionamento do Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral.

Os julgamentos foram realizados separados, pois na sexta-feira encerrou o prazo para o envio dos nomes dos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral da forma como irão constar nas urnas eletrônicas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistério Público abre inquérito para investigar Geraldo Alckmin
Próximo artigoConfira a agenda desta terça-feira dos candidatos ao governo de MT