TRE cassa mandato do deputado estadual Carlos Avalone

Decisão deixa Carlos Avalone inelegível por oito anos, mas ainda cabe recurso ao TSE

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Por unanimidade, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) cassou nesta quinta-feira (10) o mandato do deputado estadual Carlos Avalone (PSDB). Ele é acusado de abuso de poder econômico e formação de caixa dois na campanha eleitoral de 2018. Com a decisão, ele está inelegível pelo período de oito anos.

O julgamento atendeu pedido da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), autora da ação de investigação eleitoral contra o tucano. Ainda cabe recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O substituto imediato de Avalone na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) é o ex-deputado e ex-prefeito de Tangará da Serra, Saturnino Masson, primeiro suplente do PSDB. não há informações sobre sua posse no cargo.

R$ 90 mil em dinheiro

O julgamento foi retomado após um pedido de vistas do juiz membro Jackson Coutinho. Anteriormente, três magistrados já haviam sido favoráveis à cassação.

Na sessão desta quinta-feira (10), ainda votaram nesse sentido os juízes Gilberto Lopes Bussiki e Armando Biancardini Candia e o desembargador Gilberto Giraldelli, este último presidente da Corte Eleitoral.

A principal prova do processo foi uma quantia de dinheiro apreendida pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) três dias antes da eleição, no município de Poconé. Um veículo adesivado e transportando material de campanha de Avalone transportava R$ 89,9 mil

Em razão desta quantia não ter sido declarada oficialmente à Justiça Eleitoral, Avalone incorreu em abuso de poder econômico. Ele teria ultrapassado a margem de R$ 1 milhão em gastos de campanha, o valor permitido aos candidatos a deputado estadual naquela eleição.

Ao mesmo tempo, seria uma prova cabal de caixa 2. O valor declarado oficialmente foi de R$ 999.996.

Durante o julgamento, o juiz membro Fábio Henrique Fiorenza ainda lançou suspeitas a respeito da origem do dinheiro, que não foi declarado oficialmente. “Não é descartável a hipótese de que a origem dos recursos seja oriunda de tráfico de entorpecentes, lavagem de dinheiro ou milícia”, ele disse.

O que diz Carlos Avalone?

Em nota, o deputado estadual Carlos Avalone afirmou que vai recorrer da decisão.

A respeito do resultado adverso ocorrido na data de hoje, o deputado Carlos Avallone reitera seu respeito ao Poder Judiciário e fará uso do seu direito de submeter o caso à avaliação do Tribunal Superior Eleitoral, mediante recurso que possui efeito suspensivo.

Enquanto aguarda o julgamento do seu recurso, na crença de que não praticou qualquer irregularidade, o deputado seguirá exercendo normalmente as suas funções parlamentares”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDerrubada lei que vinculava salário dos procuradores da ALMT aos de ministros do STF
Próximo artigoO novo mundo das apostas esportivas