Travesti confessa ter assassinado garota de programa a pedradas

Com nome social “Michele Latrocínia”, a travesti é famosa por subir em torres e ameaçar se matar

Foto: Assessoria Polícia Civil

A travesti “Michele Latrocínia”, com nome de registro Adelmar de Carvalho Amorim, 31 anos, foi presa nesta quinta-feira (25) após assumir ter assassinado sua colega, a garota de programa Elciwany Rocha da Mata, 43 anos, nesta madrugada, em Cuiabá.

A vítima foi encontrada inconsciente em frente a um ginásio de esportes no Bairro CPA III, por volta de 0h30. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado pela Polícia Militar e constatou a morte da mulher.

Durante o atendimento, a travesti – conhecida na Capital por frequentemente subir em torres e ameaçar pular e se matar – se apresentou como testemunha do crime. Ela estava com as mãos sujas de sangue, mas disse que era porque tinha tentado reanimar a colega.

Uma equipe da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) foi até o local e começou a conversar com a travesti, que, além de apresentar um nome falso, começou a se contradizer com a história da morte, dizendo que a colega estava atendendo quatro clientes ao mesmo tempo e, depois, mudando para apenas um.

Por fim, já na delegacia, durante o interrogatório, ela acabou confessando ter matado Elciwany a pedradas, depois de ter se desentendido referente à compra de drogas. Michele disse à Polícia Civil que teria dado dinheiro para a colega comprar drogas para ambas, mas ela não cumpriu o combinado e, por isso, cometeu o homicídio.

A travesti Michele Latrocínia (Foto: PJC)

Além da fama pelas tentativas de suicídio, Michele já possui ao menos seis passagens criminais, incluindo roubos, ameaças e homicídio anterior.

A travesti foi presa em flagrante pela delegada Jannira Laranjeira e autuada pelo crime de homicídio qualificado. Mais tarde, ela será encaminhada para audiência de custódia, no Fórum da Capital.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSaiba quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para a educação
Próximo artigoCorregedor pede que ministro do TST explique encontro com Bolsonaro