Trabalho escravo: Chapada dos Guimarães é a sexta colocada no ranking de 2019

Das 1.054 pessoas resgatas no país em ações de fiscalização, 42 estavam no município mato-grossense

Imagem Ilustrativa (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Chapada dos Guimarães, localizada a 60 quilômetros de Cuiabá, é o sexto município do país onde mais pessoas foram encontradas em situação de trabalho análogo à escravidão.

Os dados são refentes a 2019 e constam no Radar da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), mantido pelo Ministério da Economia.

De acordo com o levantamento, das 1.054 pessoas resgatas, 42 estavam no município mato-grossense.

  • Uruará (PA) – 87 resgatados
  • Brasília (DF) – 64 resgatados
  • São Paulo (SP) – 52 resgatados
  • Arcoverde (PE) – 50 resgatados
  • Santa Luzia (MG) – 43 resgatados

O Radar SIT reúne dados desde 1995 e aponta que, no acumulado desses anos, São Félix do Xingu, no Pará, é a cidade líder do ranking: 1.103 pessoas foram resgatadas por lá.

Mas o Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas aponta que o município paraense pode estar no topo apenas porque, por lá, ocorreram mais ações de fiscalização.

Segundo o Observatório, a cidade campeã do Brasil – pelo menos até 2018 – era Confresa, que fica a 1.160 quilômetros de Cuiabá.

132 anos após a abolição…

O Radar (SIT) aponta que 267 estabelecimentos espalhados pelo país foram fiscalizados ao longo de 2019. E em 111 deles foram encontradas situações de trabalho análogo à escravidão.

O número representa quase 42% dos locais fiscalizados.

O levantamento apresentado nesta terça-feira (28) aponta ainda que, no ano passado, o número de denúncias aumentou. Foram 1.213 em todo o país, enquanto que em 2018 elas somaram 1.127.

Somente o Ministério Público do Trabalho (MPT) tem atualmente 1,7 mil processos de investigação dessa prática e de aliciamento e tráfico de trabalhadores.

Chapada dos Guimarães

Em Chapada dos Guimarães, dois estabelecimentos foram fiscalizados, o que resultou no achado de 42 pessoas trabalhando em situação irregular.

Os tipos de trabalho que escravizavam essas pessoas eram serviços domésticos e especializados em construção.

Do total de pessoas resgatadas, três conseguiram acesso a guias para o pagamento do seguro-desemprego.

E a média das verbas rescisórias pagas a esses trabalhadores chegou a R$ 7,5 mil.

Rural e também urbano

O meio rural continua concentrando o maior número de registros de trabalho semelhante ao escravo. Eles totalizaram 87% dos casos. Mas o trabalho urbano também fez 120 vítimas no país.

Nas cidades, a maior parte das vítimas trabalhava no setor de confecção de roupas (35). Também houve registros na construção civil (18), em serviços domésticos (14), construção de rodovias (12) e serviços ambulantes (11).

No total, os trabalhadores resgatados receberam mais de R$ 4 milhões em verbas salariais e rescisórias e 915 contratos de trabalho foram regularizados.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCriador de The Witcher revela motivo de não ter trabalhado na série
Próximo artigoViúvo, velhinho de 94 anos constrói piscina para reunir a vizinhança e não ficar sozinho