Toffoli: suspensão de investigações do Coaf é para defesa do cidadão

Na terça-feira, o ministro suspendeu as investigações abertas com base em relatórios do Coaf

(Foto: Ulisses Lalio/TJMT)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, defende que as autorizações para quebra de sigilo bancário devem passar pelo Ministério Público e Poder Judiciário, como uma forma de proteger o cidadão.

A declaração foi dada à imprensa na manhã desta quinta-feira (18), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, onde ele também recebeu a medalha do Mérito Judiciário Desembargador José de Mesquita.

Na terça-feira (16), o ministro suspendeu as investigações abertas com base em relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), compartilhados sem autorização da Justiça. A previsão é de que o assunto seja colocado para votação em plenário apenas em novembro.

A decisão de Toffoli acabou beneficiando o senador pelo Rio de Janeiro e filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PSL), que, no fim de 2018, foi alvo do Coaf. O documento também revelou a movimentação de R$ 1,2 milhão da conta bancária do ex-motorista de Bolsonaro, Fabrício Queiroz.

Em Cuiabá, Toffoli explicou que a decisão do Supremo apenas condiciona a autorização prévia do Judiciário o compartilhamento de informações detalhadas.

“Se o Coaf identifica que a pessoa movimentou R$ 10 milhões, tendo só R$ 1 milhão de patrimônio e R$ 100 mil de renda, existe um desvio. Aí comunica ao Ministério Público. O Ministério Público pede a quebra de sigilo ao Judiciário, o Judiciário faz a quebra de sigilo, e isso tem um controle do Judiciário”, exemplificou.

“Se não é feito dessa forma, se o detalhamento é feito sem a participação do Judiciário, qualquer cidadão brasileiro está sujeito a um vasculhamento na sua intimidade”, afirmou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUFMT quer nomear 32 professores e abrir concurso com 40 vagas para técnicos
Próximo artigoCrianças ensinam: para acabar com o bullying, é preciso exercitar a empatia