Todo mês Estado tira R$ 115 milhões “do próprio bolso” para pagar aposentadorias, diz Mauro

Mauro Mendes deve apresentar projeto à AL para alterar o regime previdenciário estadual

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Mesmo com o desconto de 11% sobre o salário do servidor público e a contribuição de 22% paga pelo Governo, o Mato Grosso Previdência (MT Prev) não consegue caixa suficiente para pagar todos os aposentados de Mato Grosso. Isso leva o Estado a desembolsar R$ 115 milhões, arrecadados em impostos, para suprir o déficit previdenciário.

Em coletiva de imprensa na segunda-feira (4), o governador Mauro Mendes (DEM) garantiu que o Estado não tem como arcar com o custo da aposentadoria dos funcionários públicos.

Por isso, Mauro deve apresentar um projeto de lei para a Assembleia Legislativa, para alterar o regime previdenciário estadual.

Ele afirmou que apenas aguarda a conclusão de estudos sobre a área para que a proposta chegue à Casa de Leis.  Há chances de que ela seja apresentada ainda em 2019.

Atualmente, segundo a gerência da previdência social, o déficit é estimado em R$ 1,3 bilhão anualmente.

“Todo mês sai da conta de energia elétrica, sai do ICMS do combustível, sai de impostos que o cidadão paga, para poder pagar esses servidores aposentados do Estado”, disse o governador.

Conforme Mauro, a projeção da previdência aponta que, em 2023, Mato Grosso terá mais funcionários aposentados do que ativos. Hoje já são mais de 30 mil aposentados e outras cerca de sete mil pessoas que recebem pensão por morte.

“Cada vez mais vejo servidores aposentando com salário integral, o que não acontece na iniciativa privada. E ganhando salários que vocês conhecem, muito acima do mercado, e aposentando com 45, 48, 50 anos de idade. Até quando mato grosso vai aguentar isso? É justo?”, comentou o governador, ao defender a reforma.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO embargo administrativo de propriedades rurais
Próximo artigoEnem está mais enxuto e mais conteudista, afirmam professores

O LIVRE ADS