TJMT concede desbloqueio de bens a empresa acusada de improbidade

Ela é acusada de receber favorecimento durante a licitação dos serviços de guincho em Rondonópolis

Uma empresa que responde uma Ação Civil Pública por improbidade administrativa conseguiu reverter no Tribunal de de Justiça de Mato Grosso a liminar que determinava o bloqueio de bens no valor de  R$ 2,9 milhões.

Ela foi contratada para fazer a remoção, guarda e liberação de veículos irregulares em Rondonópolis (214 km de Cuiabá) em 2014 e o Ministério Público do Estado (MPE) encontrou indícios de favorecimento dela na licitação, que não teve outros concorrentes.

Conforme o desembargador-relator do recurso, Márcio Vidal, o processo ainda está em andamento e o MP não conseguiu atribuir um valor do que seria o prejuízo causado ao poder público.

O valor do bloqueio foi referente a todo faturamento da empresas nos 5 meses de atuação, ou seja, desconsiderou o pagamento do serviço prestado.

Outra questão levada em consideração por Vidal foi o patrimônio da empresa, que é suficiente para quitar uma futura condenação, caso seja comprovado o crime. Também justificou a pandemia como fator relevante, tendo em vista que o bloqueio do dinheiro compromete a capacidade de pagamento da empresa.

O caso

O advogado de defesa da empresa explicou que o indício de irregularidade encontrado pelo MPE está no fato do consórcio, que geria o serviço, ter sido formado depois da licitação.

Durante o processo de concorrência, a parceria ainda não estava efetivada, então, apenas um dos contratantes participou do certame. O nome do consórcio veio aparecer apenas na assinatura do primeiro aditivo.

“Mas qual é a diferença para a contratante se o administrador formalizar um consórcio ou terceirizar parte dos serviços para outra empresa?”, questionou.

Ele ressaltou ainda que a empresa não trouxe prejuízo ao erário, tendo em vista que não recebia da prefeitura e sim repassava 8% do faturamento para os cofres do Município.

A suspensão da liminar foi julgada na segunda-feira (26), na sessão da 1ª Câmara de Direito Público e Coletivo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRecurso no TJ: Oi Móvel S/A tenta reduzir multa de R$ 4,9 milhões
Próximo artigoAnvisa pode rever decisão sobre importação da Sputnik IV? Gerente diz que sim