TJ valida decreto de Silval e autoriza uso de agrotóxicos a 90 metros de animais e rios

Decisão rejeita nota técnica da UFMT e diz que não comprovação científica de contaminação e danos ao meio ambiente

Imagem ilustrativa / Freepik

O Tribunal de Justiça suspendeu, em julgamento de mérito, os efeitos de uma liminar concedida pelo juízo da Vara Especializada em Meio Ambiente e autorizou o uso de agrotóxicos pelos produtores rurais a uma distância mínima de 90 metros de habitantes, animais e nascentes de rios e córregos, validando assim os efeitos do decreto estadual 1651/2013 assinado pelo então governador Silval Barbosa.

A decisão foi dada por unanimidade pela Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo no dia 12 de novembro nos autos de um agravo de instrumento de autoria da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja) de Mato Grosso.

A intimação das partes, que abre prazo para eventual recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), ocorreu no dia 10 de dezembro.

O juiz convocado, Márcio Aparecido Guedes, rejeitou o pedido de inépcia da ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual (MPE). De acordo com a defesa da Aprosoja, na petição inicial foi pedida a suspensão de dois itens do decreto do Executivo, no entanto, nos pedidos, requereu a nulidade integral.

Por outro lado, o magistrado votou em seu relatório pelo reconhecimento do agravo de instrumento para suspender, em definitivo, a liminar concedida pelo juízo da Vara Especializada do Meio Ambiente.

O voto foi acompanhado pelos também juízes convocados Edson Dias Reis, Gilberto Lopes Bussiki e pela desembargadora Maria Aparecida Ribeiro.

Sem comprovação científica

O relatório do juiz Márcio Aparecido Guedes diz que não há comprovação científica alguma de que o decreto do Executivo comprometa a qualidade do meio ambiente e possa gerar riscos de contaminação.

Em 2013, a Universidade de Federal de Mato Grosso (UFMT), o Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento,  Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional, Comitê Nacional da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida – Brasil, entre outras entidades,  assinaram nota técnica em manifestação contra a redução da distância de aplicação de agrotóxicos por pulverização terrestres (trator e costal) do decreto estadual.

Na ação civil pública ajuizada em 2016, o Ministério Público se baseou em estudos da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), que na avaliação do magistrado não detém nenhuma validade técnica e científica.

“Em que pese os referidos estudos apresentarem dados relevantes acerca da saúde da população, este documento não pode ser considerado hábil para suspensão do referido Decreto, uma vez que: 1- a nota técnica apenas faz a menção dos estudos realizados por outros pesquisadores, não apresentando os trabalhos de pesquisas como documento a embasar a ação civil; 2- as pesquisas não demonstraram que os resultados encontrados foram provenientes das alterações normativas dos Decretos, mesmo porque os estudos apresentados ocorreram antes mesmo da vigência do Decreto nº 1.651/2013”, diz um dos trechos.

O relatório  ainda ressalta que não houve nenhuma demonstração clara de prejuízo irreparável ao meio ambiente com o uso de agrotóxicos nas modalidades previstas pelo decreto do Executivo.

“Desse modo, há que se considerar que antes de ocorrer a suspensão do Decreto nº 1.651/2013, necessária seria a demonstração da realização de estudo da área, levando em consideração a deriva dos produtos nas condições de vento, umidade, clima, temperatura e de solo, para, assim, estabelecer a distância segura para a aplicação do agrotóxico. Logo, em um juízo de cognição sumária, tal documento, em si, não pode ser considerado hábil para a suspensão do Decreto ora discutido, em razão da fragilidade probatória apresentada, por não se tratar de documento de cunho científico ou fundamentado em elaboração do estudo da área.”, concluiu.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBandidos rendem vendedora de joias e marido e levam R$ 250 mil do casal
Próximo artigoTJ nega absolver acusados de formar grupo de extermínio e matar traficante em VG