TJ mantém prisão de policial acusado de pegar propina para acobertar crimes em MT

Suposto grupo criminoso formado por policiais militares e civis já foi denunciado pelo Gaeco; prisões preventivas foram decretadas em maio

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou conceder liberdade ao policial civil A.L.H.K, preso preventivamente na Operação Renegados, deflagrada no dia 4 de maio, para desmantelar uma suposta quadrilha de policiais que cobrava dinheiro para “acobertar crimes”.

A decisão de negar o pedido de habeas corpus foi dada por unanimidade pela Segunda Câmara Criminal, conforme publicação do Diário da Justiça desta segunda-feira (12).

A defesa de A.L.H.K argumentou que havia ausência de fundamentação na prisão preventiva decretada pela juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Ana Cristina Mendes. Além disso, pediu a substituição da prisão por medidas cautelares, como o uso diário de tornozeleira eletrônica.

Prisão fundamentada

O relator do habeas corpus, desembargador Luiz Ferreira da Silva, apresentou voto afirmando que a prisão preventiva estava devidamente fundamentada juridicamente, ressaltando que o acusado de integrar um grupo de policiais civis que supostamente se “apossava dos aparatos institucionais para extorquir as vítimas, circunstâncias, essas, que justificam o seu encarceramento cautelar para garantia da ordem pública”.

O magistrado ainda destacou que é insuficiente a aplicação de quaisquer das medidas cautelares alternativas à prisão, “porque as circunstâncias do delito, em tese, perpetrado pelo paciente revelaram que providência menos gravosa do que a custódia provisória não seria suficiente para garantir a ordem pública”.

Entenda

A “Operação Renegados” é resultado de um Procedimento de Investigação Criminal (PIC) instaurado no Gaeco e de inquéritos instaurados pela Corregedoria Geral da Policial Civil.

O objetivo foi desarticular a organização criminosa composta por policiais civis e militares, dentre outros membros, além de informantes utilizados pelo grupo criminoso.

O grupo denunciado inclui 12 investigadores da Polícia Civil, sendo um aposentado e dois demitidos, 3 policiais militares – um da ativa, um demitido e outro da reserva – e mais 10 pessoas.

Segundo o Gaeco, a organização era comandada por policial da ativa, o qual se utilizava de técnicas de investigação com o uso de equipamentos da Polícia Judiciária Civil, além da facilidade de ser chefe de operação de uma delegacia da capital, para facilitar e encobrir as ações criminosas do grupo.

Dois ex-policiais alvos da operação já tinham sido presos por tráfico de drogas e um por sequestro.

Um dos ex-policiais envolvidos já foi preso no ano passado, quando foi flagrado com uma grande quantidade de drogas, em Cuiabá. Outro deles já foi julgado e condenado por tráfico. Um terceiro ex-policial foi preso depois de receber R$ 100 mil do sequestro de um homem que ele havia apreendido quando ainda estava na ativa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesembargador manda investigar servidora que denunciou prefeito por compra de votos
Próximo artigoBolsonaro manifesta apoio a movimento anticomunismo em Cuba