TJ mantém decreto e nega escolha de férias e licença-prêmio a professores

Desembargadores rejeitam ilegalidade em ato do governador

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Por unanimidade, a Câmara Cível de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça negou pedido do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep) para anular decreto do governador Mauro Mendes (DEM) que determinou de forma automática o gozo de férias e licença-prêmio a partir do 4 de maio aos professores da rede estadual, dispensando assim indenização financeira aos servidores públicos.

A licença-prêmio é um benefício dado pela administração pública aos seus servidores. A cada cinco anos de exercício efetivo e ininterrupto, o servidor pode se licenciar sem ter prejuízos em sua remuneração.

A medida administrativa foi adotada pelo Executivo amparada no argumento de redução de gastos para cumprimento de metas fiscais, o que se tornou ainda mais necessário com a pandemia do coronavírus (Covid-19).

A defesa do Sintep alegou que a edição do decreto pelo Executivo violava direitos dos professores garantidos em lei e que representava uma afronta ao princípio da dignidade humana, pois os professores não poderiam usufruir de nenhuma opção de lazer, em uma clara restrição de direitos.

Além disso, ressaltou que o período em que os trabalhadores desenvolvem atividades de home-office não pode ser considerado férias ou licença prêmio, pois estão assim contra suas vontades individuais, cumprindo medidas de regras sanitárias.

O Ministério Público Estadual (MPE) deu parecer contrário ao pedido dos professores, alegando que o decreto é uma excepcionalidade diante da pandemia da covid-19.

A desembargadora Maria Aparecida Ribeiro sustentou em relatório que a administração pública tem liberdade para decidir a respeito do momento de gozo das férias e licença prêmio do servidor, diante da supremacia do interesse público sobre o individual. Também foi ressaltado que o decreto do Executivo atinge também servidores da área de meio ambiente .

O voto foi acompanhado pelos desembargadores Márcio Vidal, Maria Erotides Kneip, Luiz Carlos da Costa, Helena Maria Bezerra Ramos e Mário Roberto Kono de Oliveira.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDepois de ganhar aumento, funcionários dos Correios devem suspender greve
Próximo artigoOs desafios da mulher no universo jurídico