TJ mantém condenação e Gilmar Fabris permanece inelegível

TJ também cassou liminar que suspendia efeitos da condenação dada ao deputado durante eleições

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Por unanimidade, o pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negou, nesta quinta-feira (11), o pedido do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) para reverter a condenação de 6 anos e 8 meses de reclusão por crime contra a Administração Pública.

Ele foi condenado sob acusação de envolvimento em esquema criminoso que desviou R$ 1,5 milhão da Assembleia Legislativa em 1996, período em que presidia o Legislativo.

Em sua defesa, Fabris havia argumentado que o acórdão do Tribunal de Justiça, referente a condenação, incorreu em omissão, uma vez que a pena aplicada já deveria ter prescrito.

O recurso havia sido acatado liminarmente, em decisão monocrática do desembargador José Zuquim Nogueira, sob a justificativa do dano que a demora poderia causar ao deputado na disputa pela reeleição nas eleições deste ano.

“O requerente alega que quando da sua condenação, deveria o acórdão do Tribunal Pleno ter se manifestado sobre a prescrição da pretensão punitiva, tendo como base a pena in concreto e não a pena in abstracto, e, assim o fazendo, já haveria de ter sido reconhecida a prescrição em seu favor”, disse em trecho da decisão.

A suspensão liminar, contudo, não foi suficiente para garantir o deferimento do seu pedido de registro de candidatura pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A maioria do pleno eleitoral entendeu que a decisão monocrática não suspendia sua inelegibilidade, com base na Lei da Ficha Limpa.

Fora da AL

Com a decisão, Fabris não deve conseguir reverter o indeferimento do seu registro de candidatura, que aguarda julgamento de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Caso reverta, por sua vez, ele assume uma vaga na Assembleia Legislativa e quem fica de fora da próxima Legislatura é Allan Kardec (PDT), eleito por média.

Outro lado

A defesa do deputado Gilmar Fabris informou que está analisando elementos técnicos do processo para recorrer às instâncias superiores da Justiça.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

4 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorExibição de entrevistas de Bolsonaro não feriu lei eleitoral, diz TSE
Próximo artigoPSDB de Mato Grosso anuncia apoio a Jair Bolsonaro