“Tive que dar água da chuva para meu bebê”, diz mãe

Era tarde de sábado (04/03) quando a reportagem do LIVRE avistou um homem com mamadeiras nas mãos e que parecia procurar água potável para encher um galão. A cena chamou a atenção da reportagem. Estava escurecendo e nosso objetivo no momento era encontrar um borracheiro, pois “rasgamos” um pneu no percurso do atoleiro.

Em meio a centenas de caminhões parados no bloqueio de Vila Bela do Caracol, estava o pai do Henrique, o caminhoneiro Marco Antonio Cardoso. Ao chamá-lo, perguntamos se havia uma criança na carreta. Ele balançou a cabeça confirmando e, em seguida, disse: “Tive que dar água da chuva para o meu filho”.

Desolado, o caminhoneiro prontamente nos atendeu e relatou parte da história da sua família. Ao lado da esposa Noemi e do seu caçula – um bebê de apenas cinco meses – eles saíram de Foz do Iguaçu com destino a Sorriso para embarcar a soja. Por conta da saudade do pequeno, ele sugeriu que a esposa fosse junto e levasse o bebê. Marco Antonio só não esperava que passaria pelos piores dias da sua vida.

“O leite do meu filho acabou, tivemos que pegar água da chuva para dar pra ele”, conta. A esposa, em meio ao caos, tentava arrumar um fogareiro para ferver a água, mas nem sempre era possível. “Não sei quantas vezes chorei nessa cabine”, disse a mulher, com os olhos marejados.

Enquanto a reportagem ouvia os relatos, o bebê dormia tranquilamente, para o conforto dos pais. Alívio que veio também de postos de combustível instalados nas proximidades. O casal relata que depois de dias de insegurança, postos da região encaminharam doações, e eles prontamente aceitaram. “O posto Trevão e o posto Mirian, que fica a quilômetros daqui mandaram mantimentos”, disse Marco.

A expectativa da família era continuar a viagem de volta rumo a Foz do Iguaçu no domingo (05/03), com a reabertura do tráfego. “A gente quer ir embora e não voltar mais não”, desabafa Marco.

Já Noemi não vê a hora de reencontrar o primogênito de onze anos, que ficou com os avós. “Estou com muita saudade do meu outro filho. Desde que cheguei aqui, não falei com ele”, lamentou. Ao todo, a família ficou 21 dias no trecho.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMaluf confirma interesse em disputar cadeira no TCE
Próximo artigoJBS diz estar em contato com manifestantes e lamenta transtornos em SP

O LIVRE ADS