Tiro pela culatra?

Hospitais filantrópicos apoiam CPI proposta por Emanuel Pinheiro e agora querem investigação dos motivos dos atrasos nos repasses

(Foto: Ednison Aguiar/O Livre)

O pedido do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), para que os vereadores instaurem uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue o Hospital do Câncer – que suspendeu atendimentos alegando não receber os repasses necessários do Município – tem total apoio da federação que representa os Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso.

Em nota enviada à imprensa, a entidade aproveitou para sugerir aos parlamentares que apurem também as causas desses atrasos já que o governo federal – responsável por manter o Sistema Único de Saúde (SUS) – transfere o dinheiro necessário ao Estado e Municípios e seriam as prefeituras que “inexplicavelmente, como é o caso de Cuiabá, não repassam os recursos federais às instituições filantrópicas”.

LEIA TAMBÉM

“O primeiro indício grave da omissão do Poder Público Municipal é incontestável e cronológico: por que o Ministério da Saúde já efetuou o repasse da competência 12 (dezembro) para a prefeitura e a SMS [Secretaria Municipal de Saúde] ainda não repassou [aos hospitais] na totalidade os valores devidos da competência 9 (setembro)?”, questiona federação.

Quanto ao pedido de Emanuel Pinheiro, que os vereadores investiguem como esses hospitais tem investido o dinheiro que recebem, a entendida afirma ainda que “a própria prefeitura audita e fiscaliza diariamente as instituições através dos sistemas SISREG, DATASUS e in loco”.

Segundo a federação, os hospitais filantrópicos “são responsáveis por 85% dos atendimentos de alta complexidade e 50% de média complexidade aos usuários SUS no Estado de Mato Grosso”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro diz que vacina emergencial contra a covid “está a caminho”
Próximo artigoDá tempo, sim!