Tempo de pipa: conheça a loja de brinquedos que é sucesso no CPA

Zé da Pipa é a primeira loja em Mato Grosso especialista no brinquedo que agrada gerações

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)
Zé da Pipa é sucesso no bairro e na cidade. Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

 

Chegamos na famosa lojinha de pipa do CPA IV numa tarde de chuva, mas lá haviam pelo menos três jovens comprando a brincadeira. Em qualquer comércio o dia seria parado, mas não no Zé da Pipa. Na medida em que conversávamos com José Butakka, o Zé que dá nome e mão de obra ao negócio, a chuva caía lá fora e mais gente chegava para dentro – e não era para fugir da garoa.

Antes de Zé chegar, foi seu irmão, Kalil Butakka, quem nos adiantou a pauta e contou que o dia estava bem calmo, para a nossa surpresa. Nesta época do ano, ele está acostumado a ver longas filas se formarem na Rua Beija-flor, pois é temporada das pipas. “Se fosse sempre férias, a gente estava rico”, brinca.

Para Kalil, a época de folga influencia até mais que o clima. Sobre o ideal, ele explica um macete: “vento demais, pipa pequena, vento de menos, pipa grande”, contrariando a lógica dos que desconhecem. Kalil já é um expert no mundo das pipas – segundo ele, só na teoria – tamanha convivência com o exercício do irmão.

A brincadeira milenar agrada gerações. Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

 

O brinquedo carrega uma tradição milenar e já teve várias funções; de para-raios a meio de comunicação. Na era dos videogames e invenções tecnológicas, a brincadeira resiste no cotidiano dos jovens dos bairros e comunidades. “Quanto mais periferia, mais pipa”, confirma Kalil. É também mais espaço, menos fiação, mais terrenos baldios e coletividade.

Mas se engana quem pensa que a pipa é brincadeira de criança. Seu Kalil é categórico ao afirmar que quem mais compra pipa é o adulto. “A maioria já é homem casado e fala que vem comprar pipa para criança, porque fica com vergonha”, diverte-se. Zé confirma: se vem sozinho, pode desconfiar que não é para o filho.

O artesão já estava acostumado com a procura da mídia que reconhece a fama e o pioneirismo. Mesmo com a crescente tendência das lojas de pipa e brinquedos artesanais na cidade, a loja recebe a procura de várias regiões da cidade e fora dela. Até os concorrentes conhecem o Zé da Pipa, que também trabalha com revenda.

Com habilidade, José fabrica pipas desde pequeno

 

A loja está completando cinco anos, mas a confecção de pipas vem desde criança. Aos 12 anos já fabricava o brinquedo, afinal, um negócio feito com tamanha paixão só poderia ter começado como brincadeira de criança e sem pressa.

“Para começar a vender, a história foi longa. Comecei a soltar e os coleguinhas vinham junto, eu ficava fazendo a pipa e eles só aproveitando, aí eu comecei a vender e vi que foi dando certo”, conta. Até abrir a loja, a primeira de Mato Grosso, ainda era funcionário da prefeitura e, quando se aposentou, contou a ideia à esposa. Ela estranhou: “Tá doido? Com pipa?”, questionou.

Viajando a São Paulo, ele conheceu figuras de referência na fabricação do brinquedo, com quem se aperfeiçoou e então o negócio cresceu rápido. Além de confeccionar e vender os materiais, na “alta temporada” ele precisa buscar em São Paulo para atender a alta demanda. “Já chegou a sair 500/600 pipas por dia”, contou.

A marca já estampa camisetas de festivais mato-grossenses que recebem profissionais de fora da cidade. Neles, José é campeão e já levou até o prêmio de menor pipa, tamanha habilidade e tecnologia desenvolvida com moldes, marcadores e qualidade dos materiais. “É facinho, quer ver?”, mesmo com a explicação das etapas, foram poucos minutos para terminar. Ele conta que chega a fabricar 200 pipas por dia.

Zé da Pipa, além de especialista na fabricação de pipa, também é campeão. Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

 

Segundo Zé da Pipa, a brincadeira que já teve como objetivo aparar a pipa do vizinho, se diversifica nas possibilidades de disputa. “O tempo fez com que mudasse até a forma de soltar. Na maneira tradicional, ganha a que sobe mais rápido e hoje a gurizada que puxa a pipa de volta mais rápido é o que vence”, explica.

Engana-se também quem pensa que a tradição vem decrescendo. A profissionalização e a evolução dos materiais facilitam a confecção e a tendência é só crescimento. “Pipa está igual açaí, todo lugar tem um”, brinca.

A loja possui uma infinidade de tamanhos, modelos e matérias que influenciam no voo e no pouso. Não custam mais que R$ 5 e cada uma proporciona uma velocidade e utilidade diferentes. José também vende brinquedos artesanais e criativos, como as bolitas de gude e o cubo mágico.

Se você ainda não conhece o Zé da Pipa, aproveite as férias dos pequenos e faça uma visita. A loja está localizada na Rua Beija Flor, 70 – Cpa IV (2ª Etapa) e pode ser acompanhada pelas redes sociais.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAlckmin celebra leilão do Rodoanel Norte e fala em “reforma de Estado”
Próximo artigoSesc realiza atividades gratuitas na capital e interior

O LIVRE ADS