“Temos o dever de tentar renovar as ideias e fazer algo melhor”, diz Mário Kono ao tomar posse

Mário Kono esteve à frente dos Juizados Especiais por 20 anos e, agora, se torna desembargador

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Depois de 27 anos no Poder Judiciário de Mato Grosso, tomou posse como desembargador, na tarde desta segunda-feira (1º), Mário Roberto Kono de Oliveira, que por 20 anos atuou nos Juizados Especiais. O magistrado, que vai atuar em uma área diferente da que esteve nos últimos anos, espera contar com a experiência para levar novas ideias aos colegas, mas afirmou que não consegue “fazer milagre”.

Mário Kono foi eleito desembargador na tarde de quinta-feira (27), para assumir cadeira deixada pela desembargadora Cleuci Terezinha Chagas, recém-aposentada.

Animado, o magistrado disse esperar que sua experiência e ideia contribua para mais celeridade no Poder Judiciário. Contudo, frisou que não pode fazer milagres. Então, ele espera contar com o “coração aberto” dos colegas para receptividade do que é “novo”. No que depender dos colegas, acolhida é o que não vai faltar. Diversos magistrados e advogados participaram da cerimônia a fim de prestigiá-lo.

“Não vou trazer milagres. Bem que gostaria”, brincou. “Trago as minhas experiências, as minhas ideias, e espero que elas, efetivamente, produzam resultados almejados, que é de trazer a celeridade através das técnicas de informatização e desses princípios de Juizado, que é a celeridade e a economia processual. Esperamos que na prática isso dê resultado, e, se não der, que Deus nos abençoe. O importante é ter a mente aberta e o coração aberto para o que venha de novo”, destacou.

Para o magistrado, cabe aos servidores públicos buscar renovar as ideias a fim de obter melhores resultados a cada dia. “Aqueles que nos antecederam já deixaram uma grande estrada. Cabe à gente dar um passo sempre a mais”, ponderou.

Atuando por anos na área criminal, sendo o responsável pela implantação do projeto Justiça Terapêutica, que visa a recuperação de dependência química, Mário Kono aturará na Câmara de Direito Público e Coletivo.

Magistratura

O magistrado iniciou o curso de Direito na Universidade Estadual de Londrina e o concluiu na Universidade Federal de Mato Grosso, em 1988. Ao ser empossado juiz aos 31 anos de idade, substituiu a carreira de bancário pela magistratura. Também atuou como professor da disciplina de Direito Penal e Direito Processual Penal, no Centro Universitário de Várzea Grande (Univag).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFeira de ecoturismo expõe potencial da região amazônica
Próximo artigoIncêndio destrói casa em Lucas do Rio Verde