Tem roupas usadas e não sabe o que fazer com elas? Hospital Geral de Cuiabá precisa de doações

Peças são destinadas a pacientes necessitados ou vão para um bazar cujos lucros são revertidos em prol da unidade de saúde

(Foto: Divulgação)

O Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá (HG) está solicitando a colaboração de toda a sociedade na doação de roupas usadas, em bom estado de conservação, para um bazar beneficiente.

As doações recebidas são para ajudar pacientes e acompanhantes que chegam ao Hospital e precisam de doações e também para serem revendidas, uma das formas da unidade de saúde arrecadar recursos.

“O HG necessita de doações de itens de vestuário para manter o funcionamento do bazar, ainda mais neste período de frio, quando muitos pacientes não têm agasalhos”, explica a coordenadora do Setor de Doações e Voluntariado do HG, Herinéa Coleta.

Oportunidade para o desapego

“Aquela roupa ou calçado esquecidos no armário ou que não servem mais, o acessório que não agrada mais, a bolsa que a pessoa acha que não combina com seus looks, a loja que têm mercadorias paradas ou ponta de estoque que não serão mais vendidos, a criança que cresceu deixando as roupas por tamanhos maiores, tudo pode ser doado para o bazar do Hospital Geral”, destaca a coordenadora.

As contribuições podem ser entregues no setor de doações do Hospital Geral, localizado na Rua 13 de Junho, número 2.101, bairro Centro Norte, em Cuiabá. O atendimento é de  segunda à sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h.

Para quem quiser tirar dúvidas antes de ir até o local, o telefone de contato é o (65) 3363-7108.

Doações financeiras também são aceitas. Elas podem ser únicas ou regulares, diretamente no hospital ou através de depósito ou transferência e também pelo pix  [email protected].

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNova lei prevê prisão para servidor que destratar vítima de violência
Próximo artigoBRT: Governo prevê início da instalação este ano, mas Cuiabá diz que não haverá obra