TCE suspende repasses a Oscip e determina indisponibilidade de bens de empresas

Oscip prestava serviço de saúde para Prefeitura de Sinop cobrando taxas consideradas abusivas

Conselheiro Isaías Lopes da Cunha votou a favor da aprovação das contas do ex-governador, Pedro Taques (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre) (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) homologou uma decisão cautelar que impede a Prefeitura de Sinop de pagar uma “taxa de administração” para uma Organização Civil de Interesse Público (Oscip) contratada para prestar serviços no setor da saúde. A cobrança é de 20% do total do contrato – firmado em R$ 74,8 milhões -, um valor considerado abusivo pela conselheira interina Jaqueline Jacobsen.

A Oscip em questão é a Agência de Desenvolvimento Econômico e Social do Centro Oeste (Adesco) que, segundo o TCE, só entre 2010 e 2017, prestou serviços semelhantes a pelo menos outras nove cidades de Mato Grosso. Pelo trabalho, ela já recebeu do Poder Público algo em torno de R$ 162,8 milhões.

Jaqueline Jacobsen foi relatora de uma auditoria nos contratos, oportunidade em que constatou que a cobrança dessas “taxas de administração” se demonstravam abusivas. O trabalho demonstrou, por exemplo, que de 2014 a 2017, houve um superfaturamento que totalizou R$ 10 milhões apenas a título dessas cobranças.

No caso do contrato com a prefeitura de Sinop, o conselheiro interino Isaías Lopes da Cunha ressaltou que o custo operacional da Oscip Adesco alcança 35% do valor global da parceria firmada com o município. Além disso, diversas irregularidades foram encontradas, como vínculos de parentesco entre a Oscip e as empresas por ela contratadas e terceirização ilícita. Ainda, contratações ilegais, que burlaram a exigência de concurso público, ausência de prestação de contas e a falta de um acompanhamento e fiscalização das atividades executadas.

Decisão

Além de proibir a Prefeitura de Sinop de fazer novos pagamentos à Adesco, o TCE manteve a a indisponibilidade de bens da Oscip. A decisão atinge bens não financeiros, pelo período de um ano, que totalizem aproximadamente R$ 11,1 milhões.

Serão atingidas as seguintes pessoas jurídicas: Donizete da Silva, Handrio da Silva, Eder Richardson da Silva, Sitonia Clarice Weddigen, Tiago Guimarães Moreira, Pablo Henrique Soares da Mota, Organização Contábil Reunidos S/S Ltda., Diniz Neto Construção Civil e Terraplanagem Ltda. – ME, Organização Contábil Aliança Ltda, CLS Consultoria e Assessoria Ltda e. H.D. Construção e Terraplanagem Ltda, Eagle Banl Serviços de Cobrança, Crédito e de Cadastro Ltda, LC Lauer – Alfa Contabilidade Eirelli, Lenice da Silva Souza – MEI e Real Consultoria Eirelli – ME.

Parcerias suspensas

Com voto vista do Ministério Público de Contas e contribuições do conselheiro interino Luiz Henrique Lima, ainda foram suspensos os termos de parceria da Adesco com os municípios de Sinop, Sorriso, Marcelândia e Nova Ubiratã e emitidos alertas a todos os municípios de Mato Grosso que possuem parceria com a Oscip. “Considero esse um caso importante a ser seguido em demais decisões do TCE”, comentou Luiz Henrique.

Segundo o relator, foi detectado que o modus operandi irregular ocorreu em todos os outros contratos existentes com as demais prefeituras.

No caso dos municípios que ainda mantêm termos de parceria com a Adesco, foi determinado que mantenham os serviços médicos essenciais comprovando que os preços pagos são compatíveis com o mercado, sob pena de ressarcimento.

Foram determinadas também a abertura de Tomadas de Contas Ordinária em todos os termos de parceria entre os municípios e a Adesco em andamento, para que seja mensurado possível dano ao erário.

*Com Assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOito viaturas dos Bombeiros tentam conter chamas de incêndio na Açofer
Próximo artigoUm workaholic no governo