TCE suspende aumento salarial de prefeito e servidores

Segundo o TCE, o reajuste que incrementou a folha de pagamento em R$ 2,1 mi foi feito de forma irregular

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) determinou que a Prefeitura de Cuiabá suspenda, imediatamente, o aumento salarial do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e dos servidores públicos concedido em fevereiro. Segundo o órgão de controle externo, o reajuste foi feito sem autorização da Câmara de Vereadores, o que é vedado pela legislação.

De acordo com o relator das contas da prefeitura, conselheiro interino Moisés Maciel, após o efeito cascata do reajuste dos subsídios dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a Prefeitura de Cuiabá irregularmente autorizou o aumento por meio de ato administrativo.

Segundo Maciel, a fixação do subsídio do prefeito está inserida entre as competências reservadas e privativas das Câmaras Municipais. Pela portaria, o salário do prefeito passou de R$ 23,6 mil para R$ 27,5 mil e o incremento total nas despesas com pessoal foi de R$ 2,1 milhões.

“Dessa forma, verifica-se presente o perigo da demora, consistente no risco real de grave lesão iminente e irreparável, ou de difícil reparação, aos cofres públicos de Cuiabá, em que pese o caráter mensal e contínuo das novas despesas originadas para a folha de pagamentos dos servidores ativos e inativos”, sustentou o conselheiro.

Na representação interna, a Secretaria de Controle Externo de Atos de Pessoal do TCE apontou que a Secretaria Municipal de Gestão emitiu ordens de serviços determinando que fosse promovido o aumento automático do subsídio do prefeito e, consequentemente, a readequação da remuneração de servidores com base na Lei Orgânica do Município.

A legislação municipal, no entanto, estaria em desacordo com a Constituição Federal. “É vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público, sendo, inclusive, inconstitucionais normas infraconstitucionais que disciplinem o contrário da referida vedação ou que estabeleçam hipóteses permissivas diversas daquelas prescritas na Carta Magna”, argumentou.

Outro lado

Por meio de nota, a Prefeitura de Cuiabá informou que o prefeito Emanuel Pinheiro irá encaminhar um projeto de lei à Câmara de Vereadores solicitando que seja revogada da Lei Orgânica do Município a emenda que prevê que a remuneração do seu cargo esteja vinculada aos subsídios dos ministros do STF.

A respeito da cautelar concedida pelo Tribunal de Contas do Estado, a Prefeitura de Cuiabá esclarece que:

– O prefeito encaminhará um Projeto de Lei à Câmara Municipal para revogar o inciso XI do artigo 49 da Lei Orgânica de Cuiabá.

– A emenda foi criada em 2015 e estabelece que a remuneração de seu cargo esteja vinculada ao valor equivalente a 70% do subsídio pago aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

– Embora não tenha sido aprovado por Pinheiro, o aumento no teto remuneratório decorre de reajuste de 16,3% no provento dos ministros, aprovado em novembro de 2018.

– Sendo assim, o repasse foi cumprido por força da legislação em vigência.

– O reajuste foi repassado entre os meses de fevereiro e abril. Em fevereiro, o salário foi acrescido pelo retroativo de dezembro de 2018 e janeiro de 2019.

– Mesmo diante da legalidade do recebimento, o assunto foi discutido pelo prefeito junto à Controladoria Geral do Município (CGM), que pediu a suspensão do pagamento e na sequências a revogação do inciso que o viabiliza.

– Os salários do STF representam o chamado “teto constitucional”. Ou seja, nenhum servidor público pode ganhar mais que os ministros. Quando o subsídio dos ministros do STF aumenta, os demais também elevam nos poderes Executivo e Legislativo.

*Com assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCCJ da Câmara aprova admissibilidade da proposta de reforma tributária
Próximo artigoBebê de dois meses morre asfixiado enquanto dormia na cama com os pais

O LIVRE ADS