Prepare o bolso: Detran aumenta valores de taxas em até 14%

Aumento nas tarifas atendeu pedidos da categoria, informou a autarquia

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Tirar a carteira de motorista em 2019 deverá ficar ainda mais caro em Mato Grosso. Nessa segunda-feira (26), o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) publicou duas portarias alterando as tarifas atuais para exames médicos exigidos para a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Em um dos testes, o reajuste chega a 14%.

Conforme a portaria n.º 804/2018, do dia 23 de novembro, o custo do exame psicotécnico, que avalia a aptidão física e mental dos futuros condutores, vai ser alterado dos atuais R$ 128 para R$ 144, um reajuste de 12,5%.

No mesmo documento, também se estabelece que as pessoas que precisarem de reavaliação psicológica deverão pagar R$ 72 pelo reexame. O valor atual é de R$ 64.

Em outra portaria, n. 803/2018, também do dia 23 de novembro, o Detran fixa que o valor do exame de vista, exigido tanto para a primeira CNH, quanto para sua renovação, passará a ser de R$ 96. Atualmente, paga-se R$ 84 para os médicos credenciados.

De acordo com a assessoria de imprensa do Detran, a alteração nos valores das tarifas foi determinada após reivindicação da categoria de médicos e psicólogos.

Além das taxas médicas, quem busca tirar a habilitação pela primeira vez também paga a taxa de abertura do Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach) ao Detran. O valor é de R$ 195 e não há previsão para reajuste dessa tarifa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Boa noite eu tenho 30% de uma visão já a outra visão é normal eu tô querendo trocar para a categoria d.será que eu consigo com um laudo do meu médico .ou só com o laudo do médico do Detran. O que eu devo fazer.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro recebe embaixador do Peru, técnicos e ministros da transição
Próximo artigoBolsonaro deve mudar segurança do Enem, diz ministro