Suspeito morre em confronto com a PM depois de fugir de 3 cercos em menos de 16 horas

Geraldo é ex-presidiário e foi identificado como autor de um duplo homicídio registrado nas vésperas do Natal

O ex-presidiário e, atualmente, acusado de duplo homicídio, Geraldo Rodrigues Filho, foi morto em um confronto com a Polícia Militar de Mato Grosso depois de ser pivô de uma perseguição para lá de cinematográfica, que durou mais de 16 horas.

Ele foi atingido quando tentava fugir do terceiro cerco policial consecutivo. Escondido em uma região de vegetação, coberta por capim, Geraldo se arrastava enquanto usava um revólver calibre 38 para atirar nos militares.

Caso não tivesse morrido, o acusado tinha condições de ampliar ainda mais o tempo de conflito, tendo em vista que carregava 11 munições e mais um estojo delas no bolso.

A perseguição começou no domingo (29), por volta das 23h.

Conforme o Boletim de Ocorrência, os policiais tentaram abordar Geraldo em Peixoto de Azevedo devido à suspeita dele ser autor de um duplo homicídio, registrado um dia antes do Natal na cidade.

Quando ele viu as viaturas, começou a atirar e se escondeu na mata.

Outras equipes da PM se deslocaram ao local e mesmo acuado, o homem não se entregou.

Ele aproveitou-se de um momento de distração dos policiais para passar correndo pela estrada e pular o muro de um cemitério.

Como toda região estava sem iluminação, não houve condições de pegá-lo.

No dia seguinte, uma denúncia informou que o procurado estava andando nas margens de um córrego e a localização foi usada pelo helicóptero da PM, que fez buscas por várias horas sem sucesso.

A sorte de Geraldo começou a mudar no dia seguinte, quando ele passou em uma loja na cidade de Guarantã do Norte para comprar uma corda. A atitude dele chamou a atenção das pessoas porque ele sequer tirou o capacete.

Depois de pagar a conta, seguiu pela BR-163, em direção ao estado do Pará, em uma moto vermelha.

Com a informação, várias viaturas começaram a vasculhar a rodovia, até que uma delas deu de cara com Geraldo, que tratou de acelerar para não ser preso.

No meio da perseguição, narrada no Boletim de Ocorrência, o acusado teria entrado na contramão, pulado da moto em movimento e se escondido em meio ao capim, onde morreu.

Pertences de guerra

Na moto do suspeito estava um aparato digno de qualquer soldado. Armas, inclusive uma espingarda calibre 12, colete à prova de balas, balaclava (aquelas máscaras fechadas que mostram apenas os olhos), munições, cordas, celulares e uma mochila camuflada.

Geraldo foi acusado de matar Reginaldo do Santos e Almandinho Alves Soares na região da feirinha, em Peixoto de Azevedo, em 24 de dezembro.

De acordo com a polícia, o motivo do crime foi desacordo comercial e na ocasião, testemunhas apontaram Geraldo como autor.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS