Supremo anula foro privilegiado a procuradores e ao comando da polícia

Pleno seguiu voto do relator ministro Kássio Nunes de que emenda à Constituição estadual abre espaço para desregulação

O Supremo Tribunal Federal (STF) anulou a emenda constitucional que incluía procuradores do Ministério Público do Estado (MPE), da Assembleia Legislativa, defensores públicos e o diretor-geral da Polícia Civil no grupo de autoridades com privilégio de serem julgadas por tribunal específico. 

O pleno seguiu, por unanimidade, o voto do relator do processo, ministro Kássio Nunes, de que a emenda à Constituição Estadual abre espaço para desregulamento das medidas, hoje restritiva a cargos políticos do alto escalação. 

O Supremo encerrou nesta quinta-feira (11) o julgamento iniciado no dia 29 de outubro de uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) da Procuradoria Geral da República (PGR). 

Conforme o relator, a ADI foi aprovada pela necessidade de “estabelecer um parâmetro seguro para se evitar alargamento desmedido, pelo constituinte estadual, da prerrogativa de foro, para além do escopo de criação dessa garantia”. 

A decisão invalida a emenda constitucional nº 86 de 2020. A normativa havia alterado no artigo 96 da Constituição de Mato Grosso para incluir membros do Ministério Público, da Procuradoria-Geral do Estado, da Procuradoria da Assembleia Legislativa, da Defensoria Pública, o comandante-geral da Polícia Militar, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros e o diretor-geral da Polícia Civil, no rol de pessoas que deveriam ser julgadas por tribunais específicos. 

No caso, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso. As autoridades nesses cargos teriam foro privilegiado no julgamento de crimes comuns e de responsabilidade. A prerrogativa é aplicada principalmente ao presidente da República, governadores, deputados e senadores.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm fuga após assalto, ladrão aponta arma para policiais e acaba morto
Próximo artigoMédico é condenado a mais de 40 anos de prisão por morte de noiva grávida e da bebê