Suposto assédio moral é denunciado por servidores do Coren-MT

Gravações com palavras de baixo calão ganharam as redes sociais e já são consideradas o maior caso de assédio registrado pela entidade

(Foto: Jonathan Borba / Pexels)

Mensagens de áudio com expressões que chamam a atenção, como no momento em que duas pessoas são chamadas de abutres ou quando é dito que uma servidora específica deveria ser eliminada. Além disso sendo os servidores são definidos como “medíocres”, “rasteiros”, “traíras” e “nojentos”.

De acordo com servidores, que preferem não se identificar, as vozes das gravações seriam do presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT), Antônio César Ribeiro, da Conselheira Lígia Cristiane Arfeli e demais membros da diretoria do órgão de classe.

“Eles falam da servidora de Barra do Garças (a 500 km de Cuiabá), mas ela é uma pessoa que está em recuperação de um acidente vascular cerebral (AVC), está com parte do corpo paralisada”, relata uma trabalhadora que, por medo de represálias, prefere não se identificar.

Em outra gravação há duas pessoas em um momento de estranhamento, que resulta em declarações de baixo calão. O homem supostamente seria o presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) Antônio César Ribeiro e a conselheira Lígia.

Em determinado momento, o homem profere um xingamento contra a servidora, finalizada com “vai encher o saco de outro”. Lígia então teria rebatido dizendo que irá mesmo.

Repúdio

As gravações ganharam as redes sociais e também foram levadas até o Sindicato dos Empregados dos Conselhos e Ordens de Fiscalização do Exercício Profissional do Estado de Mato Grosso (SINDIFISC-MT) que emitiu uma nota de repúdio ao que definiu como “maior caso de assédio e desrespeito aos funcionários do Coren-MT.” O documento foi publicado na quarta-feira (25).

A presidente do Sindifisc-MT, Rosangela Vieira, informou aguarda a resposta da atual gestão do Coren ao pedido de realização de uma nova reunião entre presidente e diretores e funcionários do Conselho. O prazo se encerra nesta sexta-feira (27).

“Se não tivermos o retorno, veremos quais as próximas medidas que serão adotadas”, garante a sindicalista.

O que diz a gestão?

O LIVRE entrou em contato com o presidente do Coren, Antônio César, que informou que o Conselho decidiu por não se manifestar nesse momento. Todavia, pontuou que a Polícia Federal já foi acionada para apurar o vazamento das gravações, retiradas de computadores privados do órgão classista.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNúmero de mortes por doenças cardíacas cresce 75% em MT
Próximo artigoPolícia prende mais um suposto envolvido em morte de empresário a mando de esposa