Supensão: visitas a detentos só devem ser retomadas no fim da pandemia

Medida, segundo o governo, visa evitar aglomerações e combater o contágio do coronavírus

(Foto: Divulgação)

A suspensão das visitas ao detentos das unidades prisionais de Mato Grosso foi prorrogada por tempo indeterminado. A medida, segundo o governo, visa evitar aglomerações e combater o contágio diante da pandemia de coronavírus.

Apesar das suspensões de visitas, serão autorizadas as entradas de medicamentos e materiais de higiene para os presos.

Em todas as unidades serão alongados o período do banho de sol e o fornecimento de água.

O transporte de presos para audiências, assistência religiosa, cursos e trabalho fora das unidades também foram suspensos.

A expectativa é que as restrições devem durar até o fim da pandemia.

No período de restrição, os detentos terão atividades educacionais e culturais de incentivo à leitura, filmes e outros.

A norma atinge as 52 unidades prisionais do estado. A interrupção nas atividades teve início no dia 20 de março. À época, foram iniciadas as restrições de locomoção e prestação de serviços.

Alternativa

As visitas presenciais serão substituídas por ligações de vídeo, e-mail ou carta.

Somente será permitida a realização de chamada de áudio e/ou vídeo de uma pessoa por recuperando, de visitantes já cadastrados. A duração da ligação será de no máximo cinco minutos, e deverá ser assistida por servidores penitenciários.

Já com relação à comunicação escrita ou e-mail, o visitante cadastrado poderá encaminhar cartas via correios ou meio eletrônico, uma vez por semana.

No caso das correspondências físicas, a mensagem será entregue ao destinatário em até cinco dias, após passar por procedimento de desinfecção.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProfissionais da saúde com mais de 60 anos terão que ser afastados do Júlio Muller
Próximo artigoVotorantim mantém empregos