Sucesso de público em Cuiabá, Flor Ribeirinha leva espetáculo para Europa e São Paulo

Premiado na Turquia, "Mato Grosso Dançando o Brasil" reuniu cerca de 1500 cuiabanos no último fim de semana

(Foto: Pedro Ivo)

O Teatro Universitário foi tomado pela explosão de expressões tipicamente brasileiras no último fim de semana, compiladas em trabalho musical e cênico que nasce no quintal da casa de Dona Domingas, na comunidade São Gonçalo Beira Rio. Com o espetáculo Mato Grosso Dançando o Brasil, premiado em festival internacional, o grupo Flor Ribeirinha reuniu cerca de 1500 cuiabanos na última sexta-feira até domingo (17).

Toda a renda arrecadada nestes três dias de apresentação irá auxiliar nas despesas do grupo, que logo parte para 40 dias de turnê na Rússia, França e Suíça, a partir do dia 10 de julho, com o mesmo espetáculo. “Dessa vez um pouco diferente. Não será uma competição internacional, mas somos o convidado principal dos festivais da Europa, devido ao título na Turquia”, conta diretor artístico e coreógrafo do Flor Ribeirinha, Avinner Augusto.

(Foto: Pedro Ivo)

Já entre o mês de outubro e setembro, é a vez de São Paulo receber novamente Mato Grosso Dançando Brasil. “A curadoria do Teatro J. Safra fez contato conosco na época e não só eles, como outros se interessaram pelo espetáculo. Agora estamos definindo datas e locais”, explica.

Em Cuiabá, por questões estruturais, foi a primeira vez que os conterrâneos tiveram a oportunidade de assistir ao espetáculo, adiado após acidente com o grupo na estrada para Diamantino (208 Km de Cuiabá), em outubro do ano passado.

(Foto: Pedro Ivo)

Para a cantora Deise Aguena, que esteve presente a ocasião, o grupo impressionou pelo investimento na qualidade e na construção do espetáculo, sendo perceptível o comprometimento dos músicos e dançarinos na execução das danças de diferentes regiões.

“Me emocionei com as vozes das cantoras ribeirinhas, que fazem um trabalho cheio de amor e significado, isso tem que ser mantido. A execução da viola de cocho, do mocho e do ganzá, foi perfeita junto aos outros instrumentos da percussão e a participação da cantora Semites trouxe uma energia e alegria próprias da cultura popular, assim como o canto de Edmilson Maciel. Acho que a parceria musical e a dança resultaram em um espetáculo forte e grandioso”, ressaltou.

Na avaliação do empresário Adelírio Floriano da Silva, diretor encarregado da Verde Transportes, o espetáculo superou todas as suas expetativas. Segundo ele, para quem não conhece o quintal da Domingas em São Gonçalo Beira Rio, jamais iria imaginar que um algo tão grandioso pudesse sair de lá.

“Somente com muito amor e dedicação, se alcançou este resultado, com o interesse exclusivo de mostrar a cultura. No palco, vimos o melhor de cada um dos dançarinos, músicos e atores, um trabalho perfeito de uma equipe em harmonia. Nos impressiona assistir o que o grupo faz, que vai de encontro com nossas ideias de superação e dedicação” argumentou.

(Foto: Pedro Ivo)

Nestas últimas noites de espetáculo, a surpresa do público diante do resultado foi exatamente o retorno que chamou atenção em Avinner. Ele conta que sentiu o reconhecimento dentro de casa e acredita que o sucesso do Flor Ribeirinha tenha auxiliado para a quebra de estigmas de projetos voltados para o folclore e a cultura popular.

“Ficamos muito felizes pelo reconhecimento que de certa forma veio de fora para dentro. Mesmo com um público que sempre acompanha nosso trabalho, a gente pode perceber a surpresa com o nível técnico e artístico. Talvez as pessoas esperassem algo mais simples e se depararam com um espetáculo grandioso que, de fato, representa nossa brasilidade e leva o nome de Mato Grosso para outros países”, finaliza.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorColégio de Presidentes da OAB-MT cobra da PGE transparência na programação do pagamento de dativos
Próximo artigo“Parece que apagam a gente”, diz Eduardo Ferreira sobre Lado B de ser “multi”

O LIVRE ADS