Sucesso da Estônia é exemplo para o Brasil

O Brasil publicou 22 vezes mais que a Estônia em 2015, mas só teve 42% do impacto científico estoniano

(Foto: Arquivo/EBC)

Artigo publicado originalmente na Gazeta do Povo

Artigos recentes da Gazeta mostraram que o Brasil, apesar do 14º lugar no ranking mundial de quantidade de publicações científicas, está em posição extremamente desfavorável no ranking de impacto e relevância científica. Para determinar o impacto das publicações de um país, medimos as citações por artigo (CPP, citations per paper). Analisando o Brasil no ranking CPP de nações que publicaram pelo menos 2 mil trabalhos, ficamos em 61º lugar entre 73 países em 2015. Nesse ano a pequena Estônia, última colocada em quantidade de publicações (63º lugar), ficou em 1º no ranking CPP: seus 3.037 artigos receberam 28.680 citações, resultando em um CPP = 9,44. Embora o Brasil tenha publicado 22 vezes mais que a Estônia (68.684 publicações em 2015), nosso impacto científico (CPP = 3,97) foi pífio, representando 42% do impacto estoniano.

Para começar a entender a Estônia, vamos primeiro analisar o impacto das suas publicações ao longo de 20 anos. Entre 1997 e 2003, o impacto estoniano oscilou entre 52% e 62% do 1º lugar do ranking mundial de CPP (Suíça ou Dinamarca), apresentando um grande salto em 2004. Subiu para 70,8% do 1º lugar e oscilou entre 62,5% e 71,3% até 2011. Em 2012, apresentou um segundo grande salto de qualidade, subindo para 85,5% do 1º lugar. Alcançou o 1º lugar em 2015 entre países com pelo menos 2 mil publicações.

A Estônia destacou-se em (i) física e astronomia, (ii) bioquímica e genética, (iii) biologia e agricultura e (iv) medicina, oscilando entre 1º a 3º lugar do mundo em 2015, dentre os países que publicaram ao menos 300 artigos nessas áreas.

Qual é a posição do Brasil em relação ao 1º do mundo em impacto? Passamos de 40,4% em 1997 para 49,4% em 2005 (o melhor ano). Depois disso, caímos até 41,8% do 1º lugar em 2017, apesar da imensa pressão da Capes para se publicar em revistas de elevado fator de impacto. Tendo em vista as altas taxas de depressão e ansiedade de doutorandos (principal mão de obra da ciência), assim como os vultosos recursos públicos, é válido sustentar esse custo socioeconômico para um resultado de tão baixo impacto?

Os críticos habituais diriam que o problema seria o pequeno investimento em ciência e tecnologia e inovação (CT&I). Mas não é verdade. De acordo com a Unesco, o Brasil investiu em 2016 aproximadamente 1,3% do PIB em CT&I. Tal percentual é o mesmo que outros países com impacto científico maior que o nosso: Irlanda, Itália, Hungria, Nova Zelândia, Espanha e Portugal, com CPPs de 5,64 a 7,57.

A Estônia também aplicou 1.3% do PIB em CT&I em 2016. Qual seu segredo? Localizada no leste do Mar Báltico, a Estônia dispõe de uma longa história que remonta aos vikings. Porém, sua república só existe há 28 anos e tem apenas 1,3 milhão de habitantes. Essa pequena república integrou a antiga URSS até 1991, mas hoje é vista como uma das nações mais livres do mundo. De acordo com o livro Why Nations Fail (2012), a Estônia é tida como um dos maiores sucessos do Leste Europeu. Mas quais seriam os motivos?

A Estônia começou a realizar profundas reformas nos anos 90, quando especialistas não viam esperança no país. A população chegou a viver na linha da pobreza, com um salário médio de 2,73 dólares por dia em 1993. Contudo, o salário médio saltou para 1.310 euros/mês em 2018. Em meio à crise dos anos 90, uma das primeiras medidas foi o combate à inflação, reduzida de 1000% em 1992 para 29% em 1995. Na tentativa de superar esse cenário hostil, o país recorreu a medidas impopulares como a busca do equilíbrio fiscal, privatização, reforma tributária e corte de subsídios.

Um dos principais responsáveis por essa agenda reformista dos anos 90 na Estônia foi o primeiro-ministro Mart Laar, cujas ações deram sustentação à robusta taxa de crescimento de 6 a 10% ao ano, entre 2001 a 2007. Foi nessa época que a Estônia teve seu 1º grande salto de qualidade científica. De acordo com o Fraser Institute, a Estônia chegou ao 13º lugar de liberdade econômica em 2016, enquanto o Brasil sustentava o 144º lugar. Esse conjunto de medidas contribuiu para que o PIB per capita da Estônia chegasse a 19,7 mil dólares em 2017, comparado com 9,8 mil dólares do Brasil.

Paralelamente a essas reformas econômicas, a Estônia investiu em educação. Destacamos o projeto governamental Tiger Leap, que introduziu tecnologia no sistema educacional. O governo forneceu computadores para todas as salas de aula, adaptando os estudantes ao mundo digital desde cedo. Como todas as escolas ficaram online, o ex-presidente Toomas H. Ilves chamou o país de E-stonia. O país passou a ser também um dos mais avançados no uso da tecnologia nas atividades governamentais, reduzindo a burocracia e aumentando a eficiência na emissão de documentos oficiais. Não é por acaso que a abertura de uma empresa na Estônia leva 15-20 minutos, o que contribuiu para que se tornasse um dos países europeus com o maior número de startups.

Com um índice de alfabetização de quase 100%, o país lançou o ProgeTiiger em 2012, um projeto para ensinar programação para crianças de escolas públicas e privadas a partir dos 7 anos. Assim, as crianças podem desenvolver suas próprias histórias interativas com o auxílio do Scratch do MIT Media Lab. Essas medidas permitiram um currículo escolar especializado em tecnologia, cuja área é uma das principais da economia do país. Resultado: destacou-se em 3º lugar no exame PISA de ciências em 2015. Ficou em 8º lugar em matemática, com uma pontuação próxima do 1º lugar (520 versus 564 pontos de Singapura), enquanto o Brasil obteve apenas 377 pontos.

Devemos reconhecer que há diferenças consideráveis quanto às dimensões populacionais e geográficas entre o Brasil e Estônia, mas a república báltica é a prova de que uma sociedade responde a incentivos, o que permite reduzir burocracias e suplantar determinismos. Investimentos em educação com qualidade, em uma economia de livre-mercado, permitiram um grande avanço da Estônia em CT&I. Tal avanço é utilizado para melhorar ainda mais a educação e a economia, num ciclo virtuoso. Temos muito que aprender com os estonianos!

 

*** Fontes de dados sobre a Estônia

Republic of Estonia : Selected Issues and Statistical Appendix

The Estonian Economic Miracle

Poverty and welfare trends in Estonia over the 1990s (Unicef)

What Causes Prosperity: The Estonian Example

Estonia considering ‘estcoin’ ICO for e-residents

How Estonia became E-stonia

How Estonia—Yes, Estonia—Became One of the Wealthiest Countries in Eastern Europe

Índice de liberdade econômica – Fraser Institute

Estonian labour market in the past decade

Minimum wages and the wage distribution in Estonia

Estônia publica pouco, mas com mais impacto que o Brasil

Apesar de o Brasil publicar 22 vezes mais trabalhos científicos em comparação com a Estônia, o impacto da pesquisa brasileira representa só 42% do total registrado pelos estonianos

Percentagem do 1º lugar do mundo em CPP

Suíça ou Dinamarca, dependendo do ano

O gráfico mostra os estágios do impacto estoniano, em comparação ao Brasil. A partir de 2012, a Estônia fica nas seguintes colocações no ranking CPP entre países com pelo menos 2 mil artigos por ano: 6º, 7º, 4º, 1º, 5º e 7º (estava em 20º lugar em 2011).

Os três balões ao redor dos pontos da Estônia mostram os três estágios do desenvolvimento da qualidade da ciência no país. Entre 1997 e 2003, o impacto estoniano oscilou entre 52% e 62% do primeiro colocado no ranking. O ano de 2004 apresenta um grande salto, oscilando entre 62,5% e 71,3%. Um novo salto é identificado em 2012, subindo para 85,5% do primeiro lugar no ranking.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCorpo de homem que estava desaparecido é encontrado próximo de ponte em Cuiabá
Próximo artigoBaixa cotação na bolsa de Chicago diminui ritmo de negociações mato-grossense