STJ mantém pena de 205 a Sandro Louco, chefe do CV em MT

Defesa diz que pena por desacato a servidor público já está prescrita e pediu revisão da condenação

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O Superior Tribunal de Justiça negou na sexta-feira (23) habeas corpus para conceder liberdade ao criminoso Sandro Silva Rabelo, conhecido como Sandro Louco. Ele foi  condenado a 205 anos de prisão e é tido como um dos líderes da organização criminosa Comando Vermelho em Mato Grosso.

A decisão foi dada pelo vice-presidente da Corte, ministro Jorge Mussi.

Considerado um criminoso de alta periculosidade, Sandro Louco está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE) e acumula condenações pelos crimes de homicídio, latrocínio, sequestro e cárcere privado, posse e porte ilegal de arma de fogo, desacato e falsificação de documentos.

No período em que estava em liberdade, ele tinha participação direta em assaltos a bancos em Mato Grosso, segundo as acusações.

A defesa argumentava que, no crime de desobediência ao servidor ou respeito a qualquer pessoa a quem deve relacionar-se, ocorreu a prescrição, visto que o juiz de primeiro grau competente para conduzir o processo, não teria homologado o PAD (Processo Administrativo Disciplinar) ao qual o servidor público foi submetido e, tampouco, garantido o acesso desta parte dos autos ao Ministério Público Estadual (MPE) e à defesa.

Em sede liminar e no mérito, a defesa solicitou que fosse suspensa a decisão condenatória, desconstituindo a decisão de primeiro grau, reconhecer a prescrição da falta grave e, por consequência, retificar o cálculo de liquidação de penas.

Pedido inviável

Entretanto, o ministro Jorge Mussi ressaltou que na atual fase processual não se identificava flagrante ilegalidade para justificar a concessão de uma liminar em regime de plantão do STJ.

Também destacou que a alageda prescrição já foi devidamente afastada em julgamento colegiado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso).

“Considerando que o pedido se confunde com o próprio mérito da impetração, deve-se reservar ao órgão competente a análise mais aprofundada da matéria por ocasião do julgamento definitivo. Ante o exposto, indefiro o pedido de liminar. Solicitem-se informações ao Tribunal de origem, que deverão ser prestadas preferencialmente por malote digital e com senha de acesso para consulta ao processo. Dê-se vista ao Ministério Público Federal” diz um dos trechos da decisão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuer torcer por Ana Sátila? Veja os horários em que ela remará em Tóquio
Próximo artigoCovid: diário da vacina #52