STJ: desembargador condenado por venda de sentença receberá R$ 35 mil de aposentadoria

Evandro Stábile emplacou tese de que condenação na esfera penal não motiva a perda do vínculo previdenciário

Por unanimidade, a Primeira Turma do Superior Tribunal de Tribunal (STJ) suspendeu ato administrativo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso que anulava a aposentadoria de R$ 35 mil mensais do desembargador Evandro Stábile, condenado a seis anos de prisão em regime fechado por venda de sentenças.

A decisão foi publicada nesta segunda-feira (31) no Diário da Justiça.

O relator do mandado de segurança, ministro Sérgio Kukina, acolheu o pedido da defesa, de que a sentença penal condenatória não determina a perda da aposentadoria, mas somente a perda do cargo, não do vínculo previdenciário.

Os pagamentos ao desembargador Evandro Stábile não deverão ter retroativos, contando apenas a partir da data em que o mandado de segurança foi impetrado junto ao STJ, o que ocorreu em fevereiro deste ano.

Infração grave

Em junho de 2016, Stábile foi condenado em Processo Administrativo Disciplinar (PAD) por infração grave no exercício da magistratura.

A decisão do STJ ressalta que não há possibilidade jurídica de a sanção condenatória vir a ter efeitos diretos em uma decisão administrativa.

“Eventual discussão acerca da legalidade, ou não, do ato que importou na pretérita aplicação da pena de aposentadoria compulsória ao ora recorrente traduz-se em matéria que extrapola os limites do subjacente mandamus, motivo pelo qual deve ser deduzida em ação própria”, diz um dos trechos.

Condenação por venda de sentença

Evandro Stábile foi condenado a seis anos de prisão, perda do cargo e mais 100 dias multa pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça em novembro de 2015.

A ação penal foi desdobramento de uma investigação da Polícia Federal, denominada “Asafe”, e deflagrada em maio de 2010.

Pelas investigações, decisões judiciais do Tribunal de Justiça passaram a ser comercializadas em favor de traficantes. Em seguida, o mesmo grupo se instalou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso, comercializando sentenças em favor de políticos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Não existe punição justa para um juiz em nosso pais. Segundo a legislação do STJ a pena mais leve é uma advertência e a mais pesada aposentadoria com salário integral compulsória. Por mais grave que seja o crime o máximo que pode acontecer é isso. Ele receber 30 mil reais pagos pelo trabalhador pra não fazer nada.
    Existem 2 Brasis, 1 dos privilegiados que querem sempre mais privilégios (Nunca olham para quem os sustentam, apenas para quem tem mais privilégios que eles mesmos) e o outro Brasil é o de gente que trabalha pra pagar esses privilégios.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComo melhorar a concentração?
Próximo artigoCopa América na Arena