STF tem 2 votos para Justiça Eleitoral investigar crimes da Lava Jato

Para a Lava Jato, um eventual resultado negativo para o MPF poderá "acabar com as investigações”

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio votou há pouco a favor do envio para a Justiça Eleitoral de investigações sobre caixa 2 de campanha que tenham conexões com crimes comuns, como corrupção e lavagem de dinheiro. Com isso, há dois votos a favor da medida. Faltam os votos de nove ministros.

A Corte julga nesta tarde a competência da Justiça Eleitoral para conduzir inquéritos de investigados na Operação Lava Jato. Na sessão, a Corte deve definir se a competência para julgar crimes comuns conexos a crimes eleitorais é da Justiça Eleitoral ou Federal.

O ministro Alexandre de Moraes também proferiu seu voto a favor da competência da Justiça Eleitoral para julgar os crimes conexos e lembrou que essa é a jurisprudência da Corte há 30 anos.

Durante sua manifestação, Moraes também classificou os recentes posicionamentos dos procuradores da Lava Jato como “anarquia institucional”. Segundo o ministro, não se pode desqualificar o trabalho da Justiça Eleitoral.

Para a Lava Jato, um eventual resultado negativo para o MPF poderá “acabar com as investigações”. Segundo o procurador Deltan Dallagnol, o julgamento afetará o futuro dos processos da operação.

“Não existe salvadores da pátria. Não existem vigilantes mascarados. O que leva um país a avançar é o fortalecimento institucional. A conduta dessas pessoas, especificamente, as declarações desses vários procuradores da República, vem não ao encontro do fortalecimento institucional, mas vêm de encontro, porque ficam jogando toda a população e a imprensa contra um ramo importantíssimo da Justiça, independentemente do resultado”, disse Moraes.

No início da sessão, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, também criticou os procuradores e anunciou vai entrar com uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e na corregedoria do Ministério Público Federal (MPF) contra o procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato Diogo Castor.

A questão é decidida com base no inquérito que investiga o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes e o deputado federal Pedro Paulo Carvalho Teixeira (DEM-RJ) pelo suposto recebimento de R$ 18 milhões da empreiteira Odebrecht para as campanhas eleitorais.

Segundo as investigações, Paes teria recebido R$ 15 milhões em doações ilegais no pleito de 2012. Em 2010, Pedro Paulo teria recebido R$ 3 milhões para campanha e mais R$ 300 mil na campanha à reeleição, em 2014.

Os ministros vão julgar um recurso protocolado pela defesa dos acusados contra decisão individual do ministro Marco Aurélio, que enviou as investigações para a Justiça do Rio. Os advogados sustentam que o caso deve permanecer na Corte, mesmo após a decisão que limitou o foro privilegiado para as infrações penais que ocorreram em razão da função e cometidas durante o mandato.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovo presidente do BC defende autonomia e inflação baixa
Próximo artigoElizeu Narcisista