STF põe fim à aposentadoria especial de deputados de Mato Grosso

Ação julgou inconstitucional seis leis que garantiam o pagamento da aposentadoria; ex-deputados recebem até R$ 25 mil

Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Após seis dias de julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional seis leis mato-grossenses que garantiam o pagamento de pensões e aposentadorias especiais para deputados da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), por meio do Fundo de Assistência Parlamentar (FAP).

O julgamento teve início no dia 27 de setembro, depois que as legislações foram contestadas pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em março de 2017. Naquele ano, o relator da ação, ministro Alexandre de Moraes, já havia concedido uma liminar que suspendia a eficácia das leis. São elas: 5.085/1986, 6.243/1993, 6.623/1995, 7.498/2001, 7.960/2003 e 9.041/2008.

Alexandre de Moraes foi contrário ao pagamento especial, votando pela revogação das leis. Contudo, defendeu que os ex-parlamentares que já são contemplados com o benefício continuem o recebendo. Assim, o fim do pagamento passa a ver para as novas legislaturas.

O relator foi seguido pelos ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Luiz Fux e Dias Tofolli (presidente da Corte). Apenas o ministro Marco Aurélio votou de forma divergente.

As leis

Na ação, a PGR alegou que a existência de um sistema de previdência próprio para os parlamentares estaduais contraria preceitos fundamentais da ordem constitucional.

Janot alegou que é papel da União editar normas para padronização nacional da previdência social, sendo que aos estados apenas caberia agir de forma complementar.

Segundo o processo, a Lei 5.085/1986 concedia benefícios previdenciários e assistência médica a membros da Assembleia Legislativa. A medida funcionava de forma proporcional após 8 anos de carência, e integral após 24 anos.

Já a Lei 6.623/1995 extinguiu o fundo e deu duas possibilidades aos beneficiários que já haviam cumprindo a carência: a devolução das contribuições recolhidas ou a continuidade do recolhimento mensal para efeito de integralização do benefício.

Quem ainda não tinha superado a carência teve devolvidas as contribuições recolhidas, com exceção dos deputados da 13ª legislatura. À eles foi permitido que, mesmo não tendo cumprido o período, continuassem os recolhimentos.

Por sua vez, a Lei 7.498/2001 autorizou que os mesmos parlamentares recolhessem antecipadamente as contribuições de 24 anos, de forma imediata e em uma única parcela. Na ocasião, não foi observado quaisquer outros requisitos de carência ou idade.

A medida acabou sendo estendida aos parlamentares da 14ª e 15ª legislaturas graças às leis 7.960/2003 e 9.041/2008. Elas determinaram a revalidação da Lei 4.675/1984, para que os novos beneficiários pudessem ser contemplados.

FAP

Conforme a folha de pagamento disponibilizada no portal da ALMT, atualmente 102 pessoas recebem o pagamento especial.

Entre os beneficiários está o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB), que recebe, mensalmente, R$ 25,3 mil. Prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma de Oliveira (PSDB) recebe R$ 18,9 mil.

No mês de setembro, o valor gasto com o benefício foi de R$ 1,42 milhão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorKondzilla se torna um dos cem negros mais influentes do mundo
Próximo artigoAves de Rapina ganha primeiro trailer frenético; confira