STF nega compartilhar provas entregues por Silval com deputados da ALMT

CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal também pediu acesso a outras três delações

(Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, decidiu não compartilhar com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) as provas entregues pelo ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, em seu acordo de colaboração premiada.

A decisão foi tomada nessa quarta-feira (23).

O pedido tinha sido feito pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal no dia 10 de outubro. Fux pediu que a Procuradoria-Geral da República se manifestasse quanto ao requerimento.

Ao negar o pedido, o ministro destacou que não há “previsão legal que autorize o compartilhamento”.

Além do pedido pelas provas anexas à delação de Silval, a CPI aprovou o pedido de compartilhamento de provas de outras três delações: a do empresário Júnior Mendonça (um dos primeiros a entregar os esquemas de corrupção no Estado), do ex-secretário de Estado Pedro Nadaf e do ex-superintendente do Bic Banco, Luiz Carlos Cuzziol.

Todos os acordos de colaboração premiada foram firmados no âmbito da Operação Ararath e estão sob segredo de justiça.

CPI

Sob a presidência do deputado Wilson Santos (PSDB), a CPI apura incentivos fiscais e eventuais esquemas de sonegação de impostos que teriam acontecido nos últimos 12 anos.

A CPI tem como vice-presidente o deputado Carlos Avalone (PSDB); Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), é relator e Max Russi (PSB) e Janaina Riva (MDB) são membros.

Segundo os parlamentares, estima-se que Mato Grosso tenha deixado de arrecadar R$ 2 bilhões nesse período.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA virtude da conformidade
Próximo artigoHomem bate na esposa com um extintor até ela perder a consciência