STF mantém prisão de hacker que desviou R$ 2 milhões de prefeitura de MT

Criminosos conseguiram acesso às contas da prefeitura depois de clonar o WhatsApp do secretário de Finanças

Imagem Ilustrativa (Foto: Pixabay)

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a prisão preventiva de Rodrigo da Silva Alves, tido como um dos hackers que desviou R$ 2 milhões dos cofres da Prefeitura de Pontes e Lacerda (443 km de Cuiabá), interior de Mato Grosso.

O crime foi concretizado após a clonagem do número de WhatsApp do secretário de Planejamento e Finanças da cidade.

A decisão do ministro Gilmar Mendes em negar o habeas corpus foi publicada nesta segunda-feira (22), no Diário da Justiça.

O pedido de liberdade foi amparado na tese de constrangimento ilegal, gerada pela falta de fundamentação da prisão preventiva expedida pela 2ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Cáceres.

O mesmo pedido já havia sido rejeitado pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Gilmar Mendes rejeitou a tese de flagrante ilegalidade da prisão preventiva e manifestou-se no sentido de que não cabe manifestação da Suprema Corte antes do esgotamento de mérito pelas instâncias inferiores.

A prisão preventiva foi desdobramento da Operação Dois Fatores, deflagrada em dezembro de 2020, pela Polícia Federal. No total, foram cumpridos 11 mandados de prisão e outros 17 de busca e apreensão em Goiás, Pará, São Paulo Maranhão, Bahia e Distrito Federal.

A organização criminosa tinha, entre os seus integrantes, hackers, funcionários de operadoras de telefonia e pessoas distribuídas em diversas localidades do país.

As fraudes nas contas das prefeituras causaram diversos prejuízos para os municípios, desde atraso dos salários de servidores até a falta de pagamento de fornecedores, tendo em vista que os valores foram totalmente subtraídos das contas bancárias.

As investigações apontam que os principais ataques cibernéticos eram direcionados a servidores ocupantes do primeiro escalão das prefeituras municipais. A partir daí, a organização realizava transferências bancárias para contas de beneficiários diversos, pagamento de boletos e conversão em criptomoedas, consumindo, rapidamente, o patrimônio da instituição municipal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCúpula do governo Taques articulou para abafar escândalo dos grampos
Próximo artigoComércio: 2021 tem o pior fevereiro em 10 anos