STF decide que Estados não precisam indenizar vítimas de fugitivos da cadeia

Ministros avaliaram caso ocorrido em Mato Grosso e decisão deve servir como um marco para o restante do país

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Estados não serão mais obrigados a pagar indenizações por crimes cometidos por fugitivos  da prisão. A decisão foi tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao julgar um recurso de autoria do Governo de Mato Grosso, mas que tem repercussão geral para todo o país.

O STF levou em consideração os argumentos apresentados em sustentação oral pelo procurador do Estado, Lucas Schwinden Dallamico, que é subprocurador-geral dos Tribunais Superiores.

A tese inicial era de que o Estado deveria ser responsabilizado porque a fuga do preso acontece por fragilidades no sistema prisional. Dallamico, no entanto, fundamentou não existir nexo de causalidade com o crime praticado.

Dallamico destacou que o artigo 37, inciso 6, da Constituição Federal apresenta a “Teoria do Risco Administrativo”, que determina que não é qualquer conduta do Estado que é passível de responsabilização, apenas aquelas que podem gerar, diretamente, dano ao administrado.

Quanto ao nexo de causalidade, o subprocurador ressaltou perante os ministros que o artigo 403 do Código Civil adotou a teoria do dano direto e imediato. Por essa razão, somente as condutas capazes de causar o dano é que podem ser objeto de responsabilização.

“ O próprio ato de fuga cometido pelo preso constitui um ato ilícito, na medida em que o artigo 39, inciso 4º da Lei Execução Penal impõe ao apenado o dever de adotar conduta oposta a movimentos coletivos e individuais de fuga”, enfatiza.

Caso julgado

O recurso extraordinário que resultou na decisão favorável a Mato Grosso foi interposto no STF em 2010. Tinha o objetivo de reverter uma decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) que havia responsabilizado o Estado a indenizar a família de uma vítima de latrocínio.

O crime foi praticado por um homem em Sinop (500 km de Cuiabá), que tinha sido preso em 1997, fugiu em 1998, foi recuperado e ainda recebeu o benefício da regressão da pena, passando ao regime semiaberto naquele mesmo ano.

Quando fugiu da prisão, o apenado praticou o latrocínio – roubo seguido de morte – e, desde então, começou a saga judicial para o governo.

A maioria dos ministros votou favorável ao entendimento fixado pelo ministro Alexandre de Moraes, que foi o redator do caso. Foram votos vencidos os ministros Marco Aurélio, que foi o relator do recurso, Edson Fachin, Cármen Lúcia e Rosa Weber.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUma vaga, 11 candidatos: confira quem vai disputar o Senado em MT
Próximo artigoAcidente causa bloqueio na BR-364