Sr. Infame comemora 11 anos no Cavernas: “um hobby que a gente leva muito a sério”

Infame Rock Fest 2018 reúne as bandas Mutar3, Banana Chips, Lopes e Remorse, neste sábado (22)

Com a formação mais duradoura das mais de uma década de estrada e, agora, com Anderson Rezende de volta às guitarras, a Sr. Infame completa bodas de aço – sendo que os dois últimos anos foram de produção a todo vapor. Mais espaço para o rock e a música autoral? Apesar de algumas iniciativas, louváveis, não necessariamente. Segundo os integrantes, o cenário atípico tem muito a ver com o comportamento “correria” que marcou a trajetória da banda nesses 11 anos de ‘música por amor’.

“Acho que foram casualidades, diríamos sorte”, especulou o vocalista Jomar Brittes sobre a intensidade da atual agenda de shows. “Na verdade, a gente correu atrás de coisas diferentes do nicho que a gente tocava, fomos abrindo espaços”, complementou o baterista Maicol Fernando. Espaços, estes, bares da capital e cidades do interior do Estado, eventos de motociclista e até cervejarias, correndo na contramão da falta de espaço na cena para a música autoral.

E mesclando a maturidade dos 40 anos dos integrantes à infâmia roqueira expressa nas composições da banda– ambivalência que, aliás, norteou a escolha do nome – a Sr. Infame foi consagrada com um festival próprio, que lotou o lendário Cavernas Bar como há muito não se via, no aniversário de 10 anos de banda.

A celebração irá se repetir neste sábado (22), reunindo nova safra e velha guarda do rock autoral mato-grossense, a partir das 22 horas, no mesmo local. A batalhadora Mutar3, a jovem e extrovertida Banana Chips, a veterana Lopes e a velha guarda rondonopoliana da Remorse são as bandas que somam ao Infame Rock Fest 2018. A entrada é R$ 15.

E o novo momento da banda conta com novidades. A música “Abutre Virtual” integra a nova coletânea “Viva a Cena”, organizada pelo Malcom Pub, e outra autoral já está em processo de gravação para a “Cuiabá Capital do Rock”, iniciativa do Estúdio Riff.

Shows ao lado de importantes bandas na cena nacional e outras quatro canções também já estão engatadas para se concretizar em breve. Sempre de forma independente, com recursos próprios e o apoio de parceiros, mantendo os pés no chão, a fé no rock e bandeira do autoral.

“Já tem um tempo que as bandas autorais perderam o espaço para os covers. Acho que é mais questão do público que prefere sair para ouvir uma música que já conhecem. O rock autoral é mais especifico, não é toda casa que abre espaço e são as próprias bandas que o fazem. Tem o Cavernas, um lugar próprio do autoral, independentemente de ser rock pesado ou não, o Malcom, que já algum tempo promove o Viva a Cena, já participamos do Pacú Elétrico no Bar do Bigode, do CineCaos… Fora isso a gente que corre atrás”, avalia o baixista Aldivan, o “Jacaré”.

Trajetória

A banda Sr. Infame surge de um hiato da antiga Karrascos, banda de thrash metal que durou de 2000 a 2007. A ideia despretensiosa e boêmia, que partiu de Anderson “Fofão” e Jomar Brittes, era montar uma banda cover para homenagear clássicos do rock setentista. Deep Purple, Black Sabbath, AC/DC, além de referências do novo projeto musical, também fariam parte do repertório.

O primeiro show da banda ocorreu em Rondonópolis, em janeiro de 2008. E os riffs de Anderson logo encontraram as letras de Jomar, compondo os primeiros trabalhos autorais da banda que tomou corpo e sincronia alguns anos depois. À seriedade e concretude gradativa do projeto, o grupo atribui a Aldivan, o “Jacaré”, ex-baixista da cultuada G.W.T. “Quando o convidamos para a banda, ele estava embaixo da lama fria, hibernando”, brinca Jomar. “Apesar da gente ter montado a banda, o Jacaré foi quem sempre se preocupou em ensaiar e tocar, a partir dele é que começou”, ressalta.

Nas várias formações, com a mudança de Anderson de cidade, em 2009, também passaram pela banda as baquetas de Roberto “Poison” e as guitarras de Christopher Carneiro e Fernando Alvarez. Este último ficou até 2017, quando o ex-guitarrista retorna para a formação que finalmente se concretizou em 2014: Jomar “Karrasco” Brittes (microfone); André Murilo (guitarra); Anderson “Fofão” (guitarra); Maicol Fernando (baquetas); e Aldivan “Jacaré” (bordões).

Aquele ano também foi de gravação um EP autointitulado com seis canções autorais, lançado em maio de 2015.

Pé no chão

Além de velha guarda, a Sr. Infame é uma banda de músicos com outras profissões. Apesar do profissionalismo presente em uma certa rotina de shows e ensaios, eles nunca viveram da música e continuam não vivendo. “É um hobby que a gente leva muito a sério. Sempre fomos muito pé no chão, porque, viver de rock… se você está lá em São Paulo, talvez. Cuiabá é muito difícil, mas nem por isso a gente deixou de fazer nosso som”, explica Maicol.

“A gente quer fazer música, eu gosto de música pra caralho, não posso viver sem música e se eu pudesse viver da música eu viveria”, revela Jomar. “Essa coisa de tocar é mais uma necessidade pessoal, gosto muito do que faço e não tenho intensão nenhuma de fazer pelo dinheiro. Se vier, está lindo, mas geralmente é o contrário, a gente tem é muito gasto”, opina Jacaré.

Tanto é que, nos últimos anos, eles determinaram que o cachê iria para um caixa coletivo da banda. Com a grana arrecadada, conseguiram gravar música, comprar uma câmera e ter estrutura mínima de divulgação e produção. “Antes a gente nem dividia, bebia lá no show mesmo o cachê”, brincam.

As letras, à proposito, além de retratos existenciais e críticas sociais, dizem o que diriam os bares se falassem, conta Jomar. O Cavernas Bar e os episódios que marcaram suas vivências na noite, por exemplo, sempre lhe serviram de inspiração. “Às vezes eu escrevo a letra primeiro, mas geralmente escrevo baseado no que eu ouço, vou assimilando. A Sr. Infame é uma das bandas que mais casam letras. Se a música é pesada, escrevo algo mais sério, se o riff é mais divertido, a letra também é”, explica o compositor.

A musicalidade de “peso e melodia” contemplam do heavy metal ao hard rock, influenciados pelo rock nacional dos anos 1980. Remanescentes do trash, não ficam só no rock e são amantes da MPB e até do samba, como Jacaré. “Para música é muito bom você flertar com outros estilos porque você acaba absorvendo bastante coisa e não fica travado no rock”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLaís Yasmin avança no The Voice: ela é semifinalista da sétima temporada
Próximo artigoPeste suína: ministro emite alerta e pede ajuda a quem vai viajar para o exterior