“Sou muito respeitada na minha linha”, diz motorista de ônibus após agressão verbal

Alisangela esteve no Programa do Pop para falar sobre a discussão com condutor que se irritou pela motorista não ter lhe concedido a preferência

A motorista de ônibus Alisangela de Souza esteve no Programa do Pop na tarde desta segunda-feira (19) e contou  detalhes sobre um vídeo – que ganhou as redes sociais na última semana – em que aparece sendo ofendida no trânsito por um homem. Nas imagens, ela foi abordada duramente pelo condutor conhecido como Aranha, que desceu de seu veículo para chamá-la de feminista.

“Se eu não soube lidar é porque eu não sofro isso aí sempre, esse preconceito, esse machismo. Sou muito bem respeitada na linha”, explicou.

Ao apresentador Everton Pop, a motorista afirmou que perdoou o condutor. “Eu entendi o lado dele, ele me pediu desculpas e também entendeu meu lado. O que ficou embaraçoso é que na hora que ele falou, eu questionei ‘por que você está mostrando o dedo?’ e as pessoas acharam que eu o fechei por causa disso”, explicou.

Aranha também foi procurado pela reportagem da TV Band, que gravou um vídeo com ele, exibido durante o programa. “Como a rua não suporta nós dois, o ônibus estava vindo em cima do carro. Minha esposa gritou, minha filhinha também e eu comecei a buzinar, acelerei o carro por desespero e mais para a frente acenei com a mão, mas era uma coisa que eu não deveria ter feito”, afirmou.

“Nenhuma vez eu xinguei ela, quem quiser pode ver no vídeo”, justifica. “Peço desculpas pela minha atitude de nervosismo, mas nada daquilo que estão falando é verdade. Eu não bato na minha mulher”, acrescentou.

Dificuldades
A motorista aproveitou a oportunidade para expor os percalços de seu cotidiano como motorista. “Uma vez você postou foto nas redes sociais de dentro do ônibus, mostrando que muitos carros param no ponto de ônibus e vocês não consegue parar para pegar os idosos. Acontece muito?”, questionou o apresentador.

“Sempre postamos nas redes sociais para cobrar alguma providência. Próximo ao Shopping Três Américas mesmo, para a gente descer cadeirante, pegar idoso, temos que esperar na rua e os carros de trás não tem o entendimento que estamos sem o espaço e ficam buzinando. Aí você fica ali trancando o transito”, justificou.

Entenda o caso
Alisangela foi ameaçada e xingada por um homem que dirigia um Uno e se irritou com ela depois de não ter a preferência concedida no dia 11 de março, três dias após o Dia da Mulher.

A confusão começou pela manhã depois que o homem disse que Alisangela fez com que ele fosse “fechado” no cruzamento da rua Pernambuco, nas proximidades do Terminal do CPA 1.

Ele parou o carro, foi até o ônibus e o bate-boca começou. Alisangela diz que ele ia dar passagem, mas quando viu que se tratava de uma mulher tomou a frente e começou a buzinar e fazer gestos obscenos.

“Você tem que ter mais respeito! Você não é mulher?! Não é feminista?!”, gritou ele. A motorista questionou-o: “E o que tem em ser mulher? Que preconceito é esse?!”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÉ pública, mas faz sucesso
Próximo artigoServiços essenciais é área mais reclamada no Procon em 2017

O LIVRE ADS