Sorvetes naturais feitos com água e fruta fazem sucesso em Cuiabá

Com 18 anos de história, a Nevaska está no coração dos cuiabanos

O dia do sorvete é comemorado nacionalmente no dia 23 de setembro. Ele é um dos doces preferidos das pessoas em épocas de calor, pois além de ser gostoso (e ter vários sabores), também é refrescante.

No Brasil, um país predominantemente tropical, o consumo do sorvete é gigantesco.

Leia também:

Em Cuiabá, conhecemos a história de uma sorveteria que domina o mercado quando o assunto é ser saudável sem deixar de lado o sabor.

Famosa por fazer sorvetes com frutas naturais e até mesmo a base de água, a sorveteria Nevaska nasceu no dia 08 de abril de 2001.

No início os donos tiveram alguns problemas com o projeto, pois não tinham tanto dinheiro para investir, mas nada que os fizesse desistir.

“Meu marido sabia fazer sorvete muito bem, mas não tínhamos renda pra iniciar da forma que queríamos. Não tínhamos carros e nem locomoção, mas foi uma luta necessária para hoje em dia valorizarmos muito mais aquilo que temos”, disse a proprietária, Gilda Winter.

Em 2001 abriram a sorveteria em um antigo restaurante, usaram todos os materiais “deixados” pelo antigo inquilino dentro da loja. “Na época a dona do prédio foi bem legal, pois ela cedeu tudo que tinha – fogão, mesas, cadeiras -, com aluguel bem baixo”, afirmou.

Gilda trabalhava na época em um posto de gasolina e o marido Euclides Silva administrava a sorveteria. Quatro meses depois de inciar o projeto, a sorveteria começou a criar cara e definir seus clientes, foi assim que saiu do antigo serviço pra ajudar o marido com o novo negócio.

“Meu grande sonho era colocar meus dois filhos, Jhonatha e Matheus, numa escola particular, pois o estudo é tudo vida”, desabafou Gilda.

Em 2002 ela iniciou a concretização dos sonhos, colocou os filhos em uma boa escola e conseguiu comprar um carro no mesmo ano.

Já em 2003 a própria Gilda começou a fazer faculdade, só que neste mesmo ano a dona do imóvel que alugavam ficou doente e precisou vender o local.

“Tivemos esse probleminha, mas na mesma rua conseguimos alugar um outro lugar, que é a Nevaska oficial até hoje e deu super certo. Sabe aqueles males que vem para o bem? Foi o que aconteceu”.

Hoje a empresa está estabilizada, Gilda se formou e os filhos estão seguindo os passos da mãe dentro de uma universidade. “A Nevaska já tem nome na praça, eu só agradeço a todas as coisas boas que a sorveteria e os clientes trouxeram para mim”, disse.

O local preserva sempre a qualidade do produto e nenhum tipo de química ou gordura extra entra na fabricação. O sorvete tem no máximo 3% de gordura apenas, que é a natural do leite.

Já o sorvete a base de água tem 0,08 de gordura, que é uma única gordura vinda do açúcar. Fazemos os nossos produtos diariamente, não trabalhamos com estoques, pois não gostamos de deixar o produto guardado. Para grandes quantidades somente encomendas.

O local só trabalha com frutas da região. “Fechamos recentemente com um rapaz que tem no quintal de casa um pé de tamarindo, ele conseguia produzir, mas não conseguia vender, então fechamos esta parceria. A gente sempre dá oportunidade aos agricultores e pequenos comerciantes locais, para ajudar a manter essas pessoas no mercado. Nós tivemos um início difícil e com muita garra, sabemos como é complicado permanecer em qualquer mercado. As diversidades são imensas, se você não tiver nenhum problema na vida você ‘estaciona’. Os problemas impulsionaram para sermos quem somos hoje”, disse a proprietária.

Há 18 anos a sorveteria trabalha com muito amor e carinho, mostrando como se faz um sorvete natural de forma artesanal e de qualidade.

“Fazemos com muito carinho e dedicação, nossa equipe abraçou a causa por eles. Agora, em época de manga, os funcionários selecionam cada manga para fazer um sorvete de qualidade. Saber que minha equipe verifica uma fruta de qualidade para fazer um bom sorvete é muito gratificante”, completou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHumberto Espíndola revela universo íntimo no livro “Pintura e Verso”
Próximo artigoIntervenção artística “O Banquete está pronto!” segue em cartaz no museu Sic Bartão