Soldado da PM e filho de sargento estão entre os mortos em confronto com o Bope

O filho do sargento usava tornozeleira eletrônica e havia roubado a arma do pai para cometer um crime

Foto: PMMT

Dois dos seis mortos no confronto com o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) na manhã desta quarta-feira (29) já foram identificados. São eles um soldado da Polícia Militar e o filho de um sargento da Polícia Militar.

A informação foi confirmada pela assessoria da Polícia Militar. O policial morto foi o soldado Taques, Oacy da Silva Taques Neto, 30 anos, que ingressou na PMMT em 2011 e estava lotado na base da PM no Bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá. Nesta quarta ele estava de folga.

Já o filho do sargento, Leonardo Vinycius de Moraes Alves, de 24 anos, (cujo nome foi apurado pela reportagem), havia furtado a arma do pai durante a madrugada e saído de casa.

O pai dele registrou um boletim de ocorrência contando que nessa terça-feira (28), por volta das 22 horas, deixou em seu quarto uma pistola calibre 40, com um carregador e 15 munições, pertencente à Polícia Militar e que estava sob sua guarda; mas de manhã, às 7 horas, quando foi pegar a arma, não a encontrou.

Como o filho, que mora na casa e usa tornozeleira eletrônica também não foi encontrado e ele não conseguiu contato com o rapaz, ele logo desconfiou de que o filho havia pegado a arma e, por isso, fez a denúncia.

Mais tarde foi informado sobre o confronto com o Bope.

Confronto

A troca de tiros aconteceu por volta das 5 horas em uma estrada vicinal do Bairro Itamaraty, em Cuiabá, após a Polícia Militar receber uma denúncia de que um Fiat Uno e um Toyota Corolla, este último blindado, estavam com homens fortemente armados e com planos de praticar crimes.

Equipes do Bope saíram em busca dos suspeitos e, quando encontraram os veículos, foram recebidos a tiros, dando início ao confronto.

Após o tiroteio, os policiais encontraram cinco homens mortos nos veículos e o sexto em uma área de mata próxima aos carros.

Com eles foram encontradas seis armas, três pistolas e três revólveres, três rádios HT, que estavam usando para monitorar a frequência da polícia, e um colete balístico.

O que disse a Polícia Militar?

Em nota, a Polícia Militar informou que toda a ação policial, o confronto, a participação do soldado Taques e o sumiço da arma do sargento serão objetos de procedimentos investigatórios na Corregedoria Geral da PMMT.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO plano de Abílio
Próximo artigoComunicado 29.07 Águas Cuiabá