Sobre o obscurantismo da ciência

Cientistas supostamente imparciais podem ser tão desonestos quanto seus patronos – e se servem de sua credibilidade quase que automática de “médico” para servir interesses pessoais e políticos

(Foto: Freepik)

Parece que em tempos de pandemia colocamos todas as nossas apostas na mesa da ciência.  Como escrevo sobre teologia, política e cultura, existe muito pouco que posso dizer sobre os dados científicos da pandemia. Mas a teologia e a filosofia podem nos trazer luz sobre a  visão que temos da ciência.

É a partir desta visão que se tem da ciência, e não de dados científicos propriamente, que os governos hoje estão determinando a política pública na batalha contra o vírus.

Mas de que ciência estou falando? Basta pararmos para examinar como os dados científicos dos quais nos valemos são produzidos. Será que a ciência que conhecemos, que estabelece seus fatos lentamente através de estudos empíricos, que seguem métodos rigorosos debaixo de convenções internacionais, pode providenciar resultados absolutos imediatamente? Que métodos chamados de “científicos” validam esses estudos?

A ciência, como toda área do conhecimento humano, é cercada de mitos, ou axiomas. São muitas as ideias que estão embutidas quando se fala em nome da ciência. São ideias aceitas e que nem pensamos em questionar.

Truísmo x Axioma

Quando alguém grita “é o lobo” de pé no seu altar se sustenta por uma série de mitos que não são necessariamente científicos. Deixe-me explicar do que estou falando. Quando digo “o céu é azul”, ou “a água é líquida”, estou declarando um truísmo. É fácil de verificar se estou falando a verdade, é óbvio para todos, basta olhar para o céu ou tocar na água.

Mas quando eu digo, “a ciência tem a resposta para isto”, estou me valendo de um axioma, ou seja, uma ideia construída em torno do valor absoluto que damos à chamada ciência. Porque ninguém disseca esta construção, ela passa como tendo a validade de um truísmo. Mas não é. O construto que chamamos de “Ciência”, com C maiúsculo, é tão obscurantista quanto pode ser a religião que muitos gostam de atacar.

A voz da ciência hoje conta com noções mitológicas para afirmar seu lugar. Esses mitos se consolidaram ao longo de séculos – de uma busca de uma racionalidade isolada de Deus e que pudesse, pelo puro exercício racional, explicar todo o mundo que nos cerca. Mas nesta busca a humanidade se tornou presa de seu próprio orgulho.

O mito de que a natureza funciona através de leis independentes de Deus, num mundo autônomo, é expressa pela famosa metáfora do relógio mecânico imaginada por Newton.

Nesse modelo absolutamente materialista, todos os mistérios do mundo que nos cerca são facilmente conhecíveis, basta empregarmos o método certo para descortiná-los. O problema é que este modelo que descreve o universo como um sistema mecânico já caducou faz tempo.

Falsa metáfora

Em muitos campos do conhecimento, e a física talvez seja o campo em que se percebe isto mais claramente, a metáfora do relógio se provou falsa e incapaz de expressar realidades que os físicos descortinaram. Matéria pode não ser matéria, o que se pensar ser movido por leis imutáveis se revelou muito mais mutável e interativo do que se pensava.

O modelo se tornou vítima de seu próprio discurso triunfalista. A física já abdicou da pretensão de explicar o universo, e agora trabalha fragmentada, em campos separados, livre da ilusão de que através de seu campo de conhecimento possa achar a resposta para o grande por que do universo.

Li recentemente o livro do astrônomo Brian Keating, “Perdendo o prêmio Nobel”, onde ele descreve as manobras políticas e preconceitos que cercam as decisões sobre o prêmio e as certezas da ciência em geral.

A sobriedade de Keating em relação a seu campo de estudos, e sua capacidade de reconhecer suas limitações, não são virtudes tão comuns à classe de cientistas da medicina. Reconhecer que existe um mistério inerente à natureza é reconhecer derrota. É ser um verdadeiro cientista.

Não somos infalíveis. Existe muito pouco que podemos afirmar com certeza absoluta. Desconfie do “cientista” que te propõe certezas absolutas, que desdenha da fé, e que presume praticar uma espécie de racionalidade superior.

Mito da imparcialidade

O mito da imparcialidade, de que todo cientista trabalha pelo bem público e de que não vai trair seus princípios, também é bastante comum. Confundimos cientistas com religiosos – como se aqueles profissionais não fossem humanos e como tal não tivessem lealdades outras, a seu emprego, à sua família, etc.

Não podemos ignorar todos os interesses pessoas e políticos que dominam esta área de trabalho, como qualquer outra. Para mim, o que torna um estudo cientifico mais confiável não é numero de “peer reviews” que ele recebe, mas os critérios e a credibilidade do comitê ético supervisionando o estudo.

Um exemplo recente foi o desastre causado pelo ex-médico Andrew Wakefield, que publicou um estudo falsificando resultados ligando a vacina MMR e o Autismo. Mesmo depois de confessar, Andrew ainda manteve seus seguidores, criando uma onda mundial anti-vacina que está trazendo o sarampo e a catapora de volta ao Primeiro Mundo, com consequências sérias para algumas crianças.

Leia também sobre o desenvolvimento da descoberta das bactérias como causa de infecção, e a luta médica contra a febre puerperal. Muitos médicos antes do austríaco Ignaz Semmelweis haviam trabalhado na ideia da transmissão de infecção através dos próprios médicos.

Em 1773, o médico inglês Charles White já havia chegado às mesmas conclusões, e imposto regras de higienização para salvar pacientes. Foi ignorado pelos “peers.” Outro médico Alexander Gordon, em 1795, também publicou a respeito.

Nada mudou. Na América, o jurista pai do famoso Oliver Wendell Holmes Jr., de mesmo nome, também tentou advertir a comunidade médica e criar uma política pública de higienização em 1843. Nada foi para frente.

Semmelweis começou sua pesquisa em 1847, e durante sua carreira implementou a higienização obrigatória, salvando inúmeras pacientes. Mas mesmo depois de sua morte, em 1880, com todas as provas que coletou, a adesão às ideias de higienização obrigatória foi lenta e custou muitas vidas. A ciência médica não está imune à viagem de egos, burocracias, politicagens e cegueiras voluntárias, não.

Outro mito é o de que a ciência funciona independentemente do famigerado “capitalismo”. Só que, querido leitor, ciência não é produzida sem dinheiro. A cura para este vírus, as vacinas, os testes não virão de Cuba (rs), da Coréia do Norte, ou da Venezuela.

Dificilmente virá da China também, que por mais progresso tecnológico que tenham por lá, não têm liberdade para trabalhar de maneira independente. Virá de países como os Estados Unidos, Alemanha, Israel, hoje líderes na pesquisa médica. Não porque seus pesquisadores são mais inteligentes, mas porque os laboratórios são livres para investir e para ganhar com suas pesquisas.

A política e a desonestidade

A ciência também não é apolítica. Se você pensa que é, dê só uma olhadinha na resposta em que o afamado médico secretário da saúde de Dória, que se opõe abertamente ao uso da cloroquina, deu para Datena quando ele perguntou se Uip tinha tomado cloroquina para se recuperar. O médico dá um sorriso cínico e se nega a responder.

Por razões políticas ele, Uip, recusa-se a apoiar publicamente a medicação, opondo-se ao presidente Bolsonaro, que desde o início do ano manifestou esperança nela. Mas quando precisou, provavelmente recorreu a ela.

Desonestidade pública não é exclusividade dos políticos. Cientistas supostamente imparciais podem ser tão desonestos quanto seus patronos – e se servem de sua credibilidade quase que automática de “médico” para servir interesses pessoais e políticos. Não existe medicina isenta de interesses, assim como não existe política isenta.

Hoje em dia, para “lacrar” uma conversa e vencer um argumento leigo, citam estudos científicos. Como a maioria nem lê, não sabe que muitos dos estudos disponíveis sobre a covid-19 são meras resenhas do que se tem feito, ou das informações gerais.

O médico que se vale de um suposto estudo feito há dois meses atrás, ao invés de verificar os resultados empíricos vindos do tratamento feito a centenas de doentes nos hospitais, não passa de um beato que reza num altar vazio, ou de um vendido à sua afiliação partidária. Se ele tem honestidade médica e intelectual, ele sabe que a verdadeira ciência do vírus está sendo feita nos hospitais, como nos séculos 18 e 19. Preste atenção nela.

Não se iluda, meu caro leitor

A fé cega na ciência é tão obscurantista quanto a fé cega em qualquer outra coisa que não seja o Deus verdadeiro. E para terminar, faço um apelo aos homens e mulheres de fé do país. Alguns pastores bem instruídos, do alto de uma arrogância racionalista que não se justificaria nem se eles trabalhassem no campo da ciência (e fica muito mais feia ainda quando abraçada pelos que falam em nome da fé), atrevem-se a desprezar a oração, o jejum e a esperança religiosa.

Argumentam que oração não passa de superstição, e que a atitude da fé “racional” é simplesmente à obediência servil à quarentena sem questionamentos maiores, sem chamados à oração e à dependência de Divino, porque vírus é território da ciência e não da fé.

Como responder a esta provocação limpinha, e supostamente mais equilibrada do que os chamados à oração dos pentecostais do país, a grande maioria do nosso povo evangélico? Uso uma frase do Rev. Tim Keller: “A verdadeira fé (meu caro pastor) não se opõe à razão, mas se opõe às sentimentalidades e aparências…” – e acrescento do meu próprio teclado: e se opõe a ideologizações e politicagens estratégicas também. Não venda sua fé para obter prestígio.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. O erro começa por querer equivaler ciência e religião. Uma falácia usada para justificar a existência de rebanhos adestrados na submissão, na irracionalidade, na subserviência ao mercenarismo religioso que abusa do senso comum e alimenta a ignorância como forma de manter as massas empobrecidas sob controle, mantendo-as longe do perigo de pensar criticamente, cientificamente por si mesmas, como se não houvesse corrupção e não houvesse politica na religião. Um cientista pode sofrer sanções se prometer curas milagrosas ao receitar medicamentos, coisa que religiosos neopentecostais e os joãos de deus fazem debaixo dos narizes de todos sem serem incomodados… Não é Deus que falta, falta investimento pesado na pesquisa científica para que esta possa avançar cada vez mais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFávaro toma posse e diz que “providência divina” o levou ao Senado
Próximo artigoDonos de bares e restaurantes esperam retomar atividades na próxima semana