Sistemas que gerenciam atendimentos no Ganha Tempo passam por perícia

Polícia investiga suposta fraude na geração de pelo menos 105 mil atendimentos nas unidades em todo o Estado

(Foto: Politec)

A suspeita é de que pelo menos 105 mil atendimentos falsos tenham sido gerados no sistema que gerencia as unidades do Ganha Tempo em Mato Grosso. Nesta terça-feira (1º), peritos de computação forense inspecionam os sistemas.

A ação faz parte da Operação Tempo é Dinheiro, que investiga as irregularidades supostamente cometidas pela empresa que gerencia as unidades.

A ideia é extrair os dados gerados pelo sistema e encontrar evidências de possíveis adulterações. O resultado das análises constará no laudo pericial que será produzido pela Politec.

LEIA TAMBÉM

Auditorias da Controladoria Geral do Estado (CGE) e da Secretaria de Planejamento (Seplag) já identificaram 105 mil atendimento fictícios.

Do total de senhas, 10,8% foram atendidas no período de 30 segundos. Outras 60 mil, possuem registros de tempo de atendimento de até 15 segundos.

Para os auditores, os prazos temporais são impraticáveis.

A fraude teria custado ao menos R$ 6,3 milhões ao Estado, já que a empresa recebe pela produtividade. Os valores teriam sido pagos entre março de 2018 e janeiro de 2020.

A Seplag deve apresentar à Justiça, no prazo de 60 dias, um relatório apontando todas as irregularidades encontradas e a real extensão do prejuízo sofrido pelo governo.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro prorroga auxílio emergencial até dezembro com valor de R$ 300
Próximo artigoMato Grosso já perdeu área cinco vezes maior que Cuiabá para queimadas em 2020