Sintep aprova paralisação e diz que governo precisa “reavaliar” postura

Indicativo de greve foi aprovado em assembleia geral, realizada nessa segunda-feira (4)

A segunda greve do governo Mauro Mendes (DEM) pode acontecer ainda este mês, também envolvendo o ensino público. No mês passado, técnicos da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) iniciaram um movimento em razão do atraso nos pagamentos. Agora, é a vez dos profissionais ligados ao Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT).

Em assembleia geral nessa segunda-feira (4), realizada na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá, os profissionais do ensino público aprovaram o “estado de greve”, com uma paralisação prevista para o dia 12 de fevereiro. O ato deve atingir todas as escolas de Mato Grosso. Os profissionais estarão em estado de assembleia permanente, ou seja, podendo iniciar a greve a qualquer momento.

Segundo o presidente do Sintep, Valdeir Pereira, “o estado de alerta é um indicativo para o governo reavaliar a postura e buscar uma negociação”.

Professora da Unemat, Edna Sampaio, que também é coordenadora do Fórum Sindical, esteve presente na votação e declarou que a mobilização do Sintep é importante para que o movimento ganhe força. Desde o início do mandato de Mendes, o Fórum iniciou um embate contra a nova gestão, que conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa uma série de medidas consideradas “contra” os servidores. Dentre elas está a suspensão do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA).

Greve na Unemat

Aprovada e iniciada no dia 24 de janeiro, a greve dos servidores da Unemat durou apenas quatro dias, com a retomada às atividades aprovada no dia 29 de janeiro, em assembleia. O retorno aconteceu antes do início das aulas e, portanto, não prejudicou os universitários.

De acordo com o sindicato dos Trabalhadores da Educação Superior do Estado de Mato Grosso (Sintesmat), a aprovação da greve se deu devido ao atraso nos salários de dezembro e parte do 13º de 2018, além da falta de pagamento da reposição inflacionária prevista na RGA. O sindicato estima que quase 75% dos servidores estiveram presentes na assembleia geral e votaram favoráveis à greve.

O governo, porém, logo entrou na Justiça contra o movimento e conseguiu, por meio do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que a greve fosse declarada ilegal. Segundo a desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, os profissionais não tentaram negociar com o governo antes de deflagrar a greve.

Na decisão, a magistrada concedeu tutela de urgência para o Estado e determinou que 80% dos servidores e 100% dos comissionados voltassem a trabalhar. A multa por descumprimento foi fixada em R$ 1 mil por dia. A Justiça, porém, não autorizou o corte de ponto, conforme pedia o governo.

Com informações da assessoria

Leia também

Fórum Sindical ameça greve geral caso governo não apresente nova proposta aos servidores

Mauro diz que entra na Justiça em caso de greve, e alega que isso é histórico

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós 4 anos, STF permite que Assembleia indique sucessor de Bosaipo
Próximo artigoSine de Mato Grosso disponibiliza 714 oportunidades de emprego

O LIVRE ADS