Sinop reduz aparelhamento público e Colíder teme interrupção do transporte escolar

A falta de combustíveis para o atendimento das demandas públicas é o principal motivo para a preocupação dos municípios

Confirmando o apoio ao movimento grevista dos caminhoneiros, iniciado na segunda-feira (21), o prefeito de Colíder (633 Km de Cuiabá), Noboru Tomiyoshi (PSD), declarou que está preocupado com a falta de combustíveis no município. De acordo com o gestor o principal receio é a necessidade de reduzir serviços públicos, especialmente, o transporte escolar.

“Se até na próxima segunda-feira (28) o movimento não estiver encerrado, muito provavelmente nós vamos ter que suspender as aulas por não ter como buscar as crianças, mas, independente do problema, nós apoiamos a causa dos motoristas. Os abusos nos preços dos combustíveis também são um grande problema para nós que não tivemos um aumento na arrecadação proporcional ao custo gerado”, explica Noboru.

Sobre o receio da falta de mantimentos ou insumos o prefeito diz ser muito cedo para se preocupar. “Graças a Deus ainda não estamos sentindo essa dificuldade nos mercados, mas sabemos sim do risco”, destacou.

Sinop 

No mesmo sentido a prefeitura de Sinop informou a população por meio de nota, a redução considerável dos serviços públicos. O principal motivo destacado pela gestão é a falta de combustíveis que inclusive fez com que muitos postos tivessem que fechar, na tarde de quinta-feira (24).

“As empresas responsáveis pela coleta e transporte de lixo do município já informaram sobre interrupção dos serviços, devido ao impedimento do tráfego de veículos nas rodovias e a falta de combustíveis. Na Secretaria de Obras já estão suspensos todos os serviços, permanecendo apenas o setor de iluminação pública para casos emergenciais, enquanto houver combustível, e varrição se ruas.

Já na Secretaria de Saúde a principal preocupação é com o atraso na chegada de insumos, como por exemplo: medicamentos, oxigênio e alimentação de pacientes. Já foi determinado o racionamento de combustíveis para manter os serviços das ambulâncias. Na Secretaria também já é feito um levantamento para garantir que não haja problemas nos atendimentos da UPA 24h, diante da possibilidade da falta de insumos”, diz trecho da nota.

O documento ainda detalha que na Educação já foi identificada a falta de gás de cozinha por conta dos fornecedores que não possuem mais estoque. Outra consequência é a entrega da merenda escolar que deve ser prejudicada dado o gargalo no transporte, assim como o escolar: há combustível para mais uma semana. Viagens de atletas e qualquer passeio extracurriculares foram suspensos.

A pasta de Administração do município também emitiu comunicado às demais secretarias por conta de aviso dos donos de postos de combustíveis que abastecem a frota do município. A ordem agora é racionar combustíveis para manter prioridades como Saúde, Guarda Municipal e Conselho Tutelar.

Na nota a prefeitura ainda ressalta que é favorável à qualquer manifestação justa e ordeira.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesistência do curso para formação de novos “caveiras” atinge 74%
Próximo artigoPara Maria Lucia, aborto e orientação sexual não podem ser resumidos de forma “simplista ou dogmática”