Sinop implanta nova taxa de lixo; expectativa de arrecadação é de R$ 11 milhões

A nova cobrança será feita juntamente com o pagamento do IPTU

A Prefeitura de Sinop anunciou, nesta terça-feira (20), as datas de vencimento e informações para pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2018 e para a já anunciada taxa da coleta de lixo.

A cobrança já havia sido anunciada outras vezes e adiada. Apenas para esse exercício, ela passa a valer. De acordo com a prefeitura, os valores são calculados levando em conta o bairro e a frequência de coleta. Outra variação é de residencial e comercial. A expectativa é que a nova cobrança traga mais R$ 11 milhões aos cofres públicos, ajudando assim a arcar com a contratação da empresa de coleta que leva o lixo da cidade para o distrito de Primaverinha (área do município de Sorriso), cerca de 130 km de Sinop.

A gestão lembra ainda que a taxa foi instituída pela Lei 078/2012, com alterações da Lei 118/2015, onde também foi lançada a cobrança da taxa da coleta de lixo, no município.

“A aplicação da legislação é muito simples. É em cima de quantas vezes é coletado o lixo na minha residência. Então, quais são as frequências que temos em Sinop? No quadrilátero central são seis vezes por semana, depois temos três e duas vezes por semana, baseado também no metro quadrado da minha residência. Então uma casa com até 90 a 100 m², que tem frequência de duas vezes por semana vai pagar em torno de R$ 13,00 (treze reais), por ano. Isso poderá ser dividido em nove parcelas. Porque começamos a cobrar em abril, então os 12 meses serão diluídos em nove parcelas”, explicou a secretária de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

A secretária lembra ainda que o boleto será emitido em nome do proprietário do imóvel e pode ser retirado junto com o boleto do IPTU 2018. O não pagamento acarretará em inscrição na dívida ativa.

Polêmica

Em setembro de 2016, a Prefeitura Municipal de Sinop iniciou o processo de regularização dos seus resíduos sólidos, já que no mesmo ano o aterro municipal foi interditado. Para se enquadrar na Lei 12.305/2010, a prefeitura lançou uma licitação para contratar a coleta, transbordo e destinação final dos resíduos sólidos. Três empresas foram contratadas para realizar os serviços, cada uma operando em um setor. A Sanetran ficou responsável pela coleta, a Ecopav Construções e Soluções Urbanas pelo transbordo e transporte do lixo e a Sanorte Saneamento Ambiental pela destinação final. Esses 3 serviços tem um custo anual de aproximadamente R$ 11,4 milhões.

O resíduo de Sinop viaja cerca de 120 km até o distrito de Primaverinha, no município de Sorriso. É nesse local que está o único aterro sanitário da Sanorte.

Em 2015, o Ministério Público Estadual propôs uma ação civil pública contra a Prefeitura de Sinop e o prefeito, Juarez Costa (PMDB). A promotora de Justiça Audrey Ility acusou o Município e o gestor de não dar a correta destinação de resíduos sólidos coletados. Conforme inquérito civil instaurado desde 1998, haviam seis áreas utilizadas de forma irregular.
Além de remover todos os resíduos e lacrar os locais, a promotora ainda pediu a recuperação de todas as áreas degradadas.

Além disso, durante todo o inquérito, a Secretaria de Estado e Meio Ambiente (SEMA) fez mais de quatro inspeções nos locais apontados como irregulares. “Então, diante da omissão municipal e em virtude do descumprimento dos termos de embargos das áreas utilizadas como “lixões”, o Ministério Público solicitou da SEMA nova vistoria nos lixões de Sinop; o que foi atendido nos meses de março e abril do corrente ano, comprovando-se a situação lastimável”.

Todo esses problemas culminaram na contratação de novos aterros em Primaverinha.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGanha Tempo de Rondonópolis tem previsão de entrega para abril
Próximo artigoCâmeras flagram ação de assaltantes bem vestidos em loja de Cuiabá