Governo usa dinheiro do Fethab para pagar empréstimos

Teto de Gastos autoriza retirar até 30% dos fundos para outras despesas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O secretário de Infraestrutura de Mato Grosso (Sinfra), Marcelo Duarte, admitiu que o dinheiro arrecadado no Fundo de Transporte e Habitação (Fethab) tem sido usado para pagar empréstimos da pasta para obras de infraestrutura. Ele informou que isso é feito desde 2017, com a aprovação da Lei do Teto de Gastos, que permite o uso dos fundos para pagamento de dívidas relacionadas à natureza do próprio fundo. A legislação autoriza a usar esses recursos em pagamentos de empréstimos até o exercício de 2019.

“No Fethab há duas retenções importantes, amparadas por lei”, disse, durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pedaladas, na tarde desta terça-feira (17). “Se temos dívidas vencendo com os bancos, podemos utilizar os recursos do fundo para pagar obras. Não aplicamos em outra finalidade que não seja infraestrutura, e o foco são restauração e pavimentação de rodovias”, afirmou.

Entre os empréstimos contraídos pela pasta, está o de R$ 1,4 bilhão para o programa MT Integrado (rebatizado de Pró-Estradas no governo Pedro Taques), para asfaltar rodovias. O financiamento foi feito via Banco do Brasil, usando recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Desvinculação de receitas

Além disso, até 30% dos fundos estaduais podem ser usados para outras despesas, conforme a emenda à Constituição Federal nº 93/2016. O secretário, no entanto, não soube informar em que despesas foram aplicados os valores desvinculado do Fethab. “Sei que o dinheiro chega na Sinfra com essa dedução legal. Mas tenho certeza que a Sefaz aplicou os recursos nas áreas essenciais”, disse.

Segundo Marcelo Duarte, a Sinfra recebeu R$ 1,384 bilhão do Fethab em sua gestão, desde janeiro de 2015. Ele afirmou que, desse total, 99% foi empenhado. Ele afirmou, ainda, que a parte dos municípios está sendo repassada pela Sefaz regularmente. “Já foram quase R$ 700 milhões para as prefeituras”, afirmou.

O secretário explicou que o recurso do Fethab Diesel vai para a Conta Única do Estado, tendo uma fatia distribuída para os municípios mensalmente; o Fethab Commodities vai integralmente para a Conta Única; e o Fethab 2 vai para a conta exclusiva do fundo, criada no início deste ano.

Duarte defende, ainda, que o Fethab 2 seja estendido por mais tempo, pois está previsto para terminar no fim deste ano. “Os recursos da União estão cada vez mais escassos, e Mato Grosso mostrou com o Fethab que é possível fazer obras com recursos próprios”, disse.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInstituto de Previdência Social de Sinop é invadido por hackers
Próximo artigoFamílias de vítimas do voo da Chapecoense vão processar empresa aérea