Sindicatos pedem mais tempo de lojas abertas em Cuiabá

Hoje, o comércio de rua está autorizado a abrir das 9h às 17h. O pedido é por mais uma hora de funcionamento

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Sindicatos que representam ao menos três setores do comércio varejista em Cuiabá pediram ao prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que altere o horário de funcionamento do comércio de rua da Capital.

Hoje, por conta das medidas de prevenção ao novo coronavírus, as lojas estão autorizadas a abrir das 9h às 17h. Os sindicatos pedem uma hora a mais de limite: até às 18h.

Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Calçados e Couro, Valdir Adão Macagnam Junior, sustenta que os empresários vêm seguindo as regras de segurança e que a mudança é importante para a economia do Estado.

“Devido a esse novo cenário, que acabou comprovando que o comércio não é disseminador do vírus, a mudança torna-se essencial para não gerar mais prejuízos aos comerciantes da Capital. Muitos ainda não conseguiram sobreviver diante das constantes paralisações de suas atividades nos últimos cinco meses”, afirmou.

Na noite desta segunda-feira (21), o prefeito baixou um novo decreto que flexibiliza os horários do comércio local, entretanto, não menciona o comércio de rua.

LEIA TAMBÉM

Para o presidente do Sindicato do Comércio de Tecidos, Confecções e Armarinhos, Roberto Peron, a medida deve, inclusive, evitar aglomerações, já que o consumidor terá mais uma hora para efetuar suas compras.

E o presidente do Sindicato do Comércio de Ópticas, Jodeon Sampaio Silva, lembra que o setor já está classificado como essencial, o que não justificaria o horário reduzido.

Os três sindicatos são filiados à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do estado (Fecomércio-MT) e formalizaram, nesta semana, o pedido junto à Prefeitura.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm 6 anos, Taques “empobrece” na política
Próximo artigoServidora acusada de desviar R$ 16 milhões tem processo extinto